Salvador ganha Museu Rodin

O primeiro Museu Rodin da América do Sul, que exporá um acervo inteiramente cedido pelo museu de Paris, deve ser instalado na capital baiana. A proposta foi feita hoje ao governo baiano pelo diretor da Pinacoteca de São Paulo, Emanoel Araújo, por recomendação do diretor do Museu Rodin de Paris, Jacques Vilain. A capital baiana foi escolhida por ser um importante pólo cultural e turístico do Brasil.Segundo Araújo, o Museu Rodin da Bahia, será criado com obras do acervo do escultor cedidas pelo museu francês em forma de comodato, por três anos renováveis.Na proposta enviada ao governador César Borges (PFL) para a criação do Museu Rodin, a Pinacoteca de São Paulo pede um espaço nobre, capaz de abrigar 80 obras do escultor, além de biblioteca, auditório, reserva técnica, sala de arte-educação para crianças e deficientes visuais, ateliê de modelagem, um café e uma loja. O local que atende a todos os requisitos é a Mansão Bernardo Catharino, um casarão do final do século 19, situado no Bairro da Graça, próximo ao centro de Salvador.Segundo técnicos da Secretaria da Cultura e Turismo da Bahia, a mansão é um palácio com história, bem conservado e se identifica arquitetonicamente com o Hotel Biron, onde fica a sede do Museu Rodin em Paris. A transformação da mansão no Museu Rodin seria feita através de projeto elaborado em conjunto pela Pinacoteca paulista e o museu francês, sob coordenação da Secretaria de Cultura da Bahia. O governo do Estado deve dar uma resposta sobre a proposta nos próximos dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.