Salinas faz moda praia inspirada na arte indígena

Nas passarelas do Fashion Rio na Marina da Glória, o estilista pernambucano Melk Z-Da apresentou sua coleção, batizada de "Expressões", inspirado nas pintura do austríaco Gustav Klimt (1862-1918), com com 21 modelos, enquanto a Salinas entrou com uma moda praia inspirada na arte indígena, com nada mais nada menos que 700 figurantes fantasiados de índios na cena fashion criada para o cenário.O clima estranho ficou por conta do puxão de orelhas levado pela top Isabeli Fontana ao final do desfile da Salinas. Ainda durante a apresentação da grife ela e a modelo Marcelle Bittar ficaram batendo papo, em plena passarela. Marcelle perguntava sobre a gravidez de Isabeli e chegou a fazer carinho em sua barriga. O diretor do desfile Alberto Renan não gostou do que viu e chamou a atenção das duas no back Stage. A assessoria de imprensa da Salinas negou que elas possam ser deixadas na geladeira no próximo desfile. Segundo a assessoria, o puxão de orelhas foi pontual.MELK Z DA: o designer pernambucano avisou que ficou seis meses quase calado para fazer a coleção que apresentou hoje no Fashion Rio. O rapaz disse que pensou em suas peças como páginas em branco, à espera de declarações. Ele aposta em uma modelagem arriscada, os vestidos trapézio em linha A, de comprimento mini, e cintura altíssima. Bem... é um look que não deixa ninguém bonito, já que altera a harmonia do corpo. Em todo caso, vê-se que ele faz bons trabalhos em bordados, em plissados e aplicações, mas fica no ar a sensação de que aquilo tudo ainda está no rascunho. Ele está em um bom caminho, mas ainda vai precisar passar seus depoimentos vestíveis à limpo, para que eles possam de fato sair das passarelas e ganhar alguma força comercial. Tudo é trabalhado, dá pra ver, mas ainda não dá para usar. SALINAS: Índio quer apito. Sob um som estridente do som dos piiiiiisss, a Salinas abriu sua apresentação, tendo cerca de 700 figurantes fantasiados de índios como cenário para a coleção feita por Jaqueline de Biasi. A estilista da grife de moda praia se inspirou em arte plumária, grafismos e pinturas indígenas para construir biquínis e maiôs. Se na modelagem quase nada mudou, na estamparia bons momentos foram registrados, como os tops de folhagens e o engana mamãe vestido pela top Isabeli Fontana, grávida de 4 meses, de seu marido, o ator Henri Castelli, com adereços indígenas pintados à mão. As calcinhas tinham modelagem maior do que as que se costuma ver nas praias cariocas. A cultura indígena apareceu nos cintos trançados e alças torcidas de palha, bolas de madeiras pintadas à mão como acabamento de alças e laterais de biquínis. Jacqueline aproveitou materiais novos, como tule com lycra, que permitiram que as peças ganhassem drapeados, bordados, franzidos, amarrados e laços.Ao final da apresentação, as modelos perfilaram-se entre os índios, no cenário criado por Alberto Renault. A iluminação de Maneco Quinderé dava o efeito semelhante à luz do sol atravessando folhas.FILA A: presença inusitada na platéia da Salinas... Ruy Castro estava lá para ver os índios e as garotas de biquíni da Salinas. FILA A, CADÊ: me falaram que o Fashion Rio era o paraíso das celebridade B. Mas, até o momento, nem A, nem B, nem C. O máximo de famosa que vi por aqui foi Guilhermina Guinle, lindinha com novo corte de cabelo, e Alexia Dechamps, que fazia carão e pegava carona na fama de Guinle. Vida dura essa de celebridade...COVEN: A grife fez um desfile marcado por grafismos e modelagens amplas, muita saia balonê, com comprimento na altura do joelho ou míni. A estilista Liliane Redehy usou o chamado fio memória, uma fibra de aço revestida por algodão para compor seus modelos. Todo o trabalho da Coven é em tricô. Na cartela de cores, azul marinho, rosa pink e amarelo. Liliane estava a duas temporadas afastada do Fashion Rio, período em que teve seu filho hoje com cinco meses.Matéria alterada às 20h25

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.