Salão de Piracicaba comemora 30 anos de humor

Para comemorar as três décadas do Salão Internacional de Humor de Piracicaba será aberta hoje, no Memorial da América Latina, em São Paulo, a mostra 30 Anos de Humor, que reúne os melhores trabalhos apresentados ao longo de toda a história do evento, fotos de artistas e do público, documentos e cartazes. E não só isso. Hoje, às 11 horas, será lançado, na abertura da exposição, o livro Piracicaba - 30 Anos de Humor, catálogo bilíngüe editado pela Imprensa Oficial de São Paulo e do Instituto do Memorial de Artes Gráficas do Brasil. Ocorrerá, ainda, um ciclo de debates a partir de quinta-feira; será apresentada uma réplica em lona vinílica do mural pintado em afresco por Ziraldo para o Canecão, em 1967; shows; um ciclo de filmes humorísticos em vídeo e documentário sobre alguns dos participantes como Henfil (o homenageado da 30.ª edição do evento); e será lançada oficialmente a 31.ª edição do Salão, marcada para agosto e outubro deste ano.O Salão de Humor de Piracicaba foi criado em 1974. O clima de repressão causado pelo regime militar se vê estampado nos trabalhos apresentados e premiados nas primeiras edições do evento - o salão "representou a abertura de uma nova trincheira na resistência ao regime de exceção. Mostrou que os pincéis dos humoristas podem, às vezes, causar estragos nos regimes ditatoriais maiores do que os fuzis dos guerrilheiros", como escreve Hubert Alquéres, diretor-presidente da Imprensa Oficial no texto de apresentação do catálogo. E, logicamente, temas políticos estão presentes até hoje. Caricaturas, charges, cartuns e quadrinhos fizeram a história do evento.Como conta Paulo Caruso no livro, "foram duas expedições" até o Salão "pisar" em terra firme e se estabelecer em Piracicaba. A primeira, ocorreu em 1972, quando o jornalista Roberto Cêra e o artista plástico Ermelindo Nardin chegaram ao Rio e fizeram contatos com a equipe do Pasquim para criar um espaço para os desenhos de humor no consagrado Salão de Arte Contemporânea. E a segunda expedição, sob "orientação do mestre navegador Zélio Alves Pinto", foi em Piracicaba mesmo, em 1973, com a participação dos jornalistas Alceu Marozzi Righeto e dos jovens Adolfo Queiroz e Carlos Colognese. Depois dos contatos na cidade paulista, o resultado das expedições foi em 74, quando no saguão do Banco Português, ocorreu o 1.º Salão de Humor. Toda a história, incluindo sua ampliação até chegar a ser internacional, está no livro e na mostra que poderá ser vista em São Paulo.Piracicaba 30 Anos de Humor. Memorial da América Latina. Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664, Barra Funda, 3823-4600. Terça a domingo das 9 às 18 horas. Até 11/6.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.