Saiba como se monta o Cirque du Soleil

No ponto mais alto da tenda do Cirque du Soleil tremulam quatro bandeiras - a do país de origem do circo, o Canadá, a de sua província de fundação, Quebec, a do próprio Cirque, e a do país em que ele está se apresentando. A de listras azuis e branca já saiu e vai dar lugar à colorida verde, amarela, azul e branca daqui a um mês. Isso porque o ritual mais aguardado de um espetáculo itinerante, o ato de levantar a tenda do palco principal, está previsto para ocorrer no dia 20 de julho na capital paulista. Fãs incondicionais da trupe circense mais badalada do mundo já arriscam dizer que, depois da Copa, o assunto mais comentado do momento é o Cirque du Soleil.O Estado acompanhou um dia nos bastidores do espetáculo Saltimbanco, que o Cirque traz ao País, durante a sua última semana de cartaz em Buenos Aires, Argentina. O mesmo elenco e equipe técnica vão apresentar o show (do dia 3 de agosto até 22 de outubro), que já encantou o México, o Chile e a Argentina - talvez não com a mesma receptividade do público. ?Um argentino veio me dizer que se estou achando que eles são animados, que espere para ver o calor dos brasileiros?, diverte-se Nicolle Liquorish, uma das elásticas e fortes meninas da trupe, que integra os números de bungee, chinese poles (mastros chineses) e russian swing (balança russa).Os saltimbancos estão espantados com a enlouquecida procura de ingressos por aqui. Larry Clark, diretor técnico do espetáculo, não se lembra, durante os seus seis anos de trabalho em turnê no Cirque, de se dirigirem para um país com todas as entradas já esgotadas, sem nem terem ainda levantado a tenda. ?Já fomos muito bem recebidos em várias cidades do mundo, mas nunca estivemos num lugar com todos os ingressos vendidos com tanta antecedência. Estamos surpresos com o interesse dos brasileiros.? Ainda há alguns poucos ingressos à venda, segundo a Assessoria de Imprensa do Cirque.Ingressos salgadosAs entradas não custam nenhuma bagatela, mas o público pode ficar certo de que vai assistir a um espetáculo de coreografias que alguns diriam ser humanamente impossíveis de serem realizadas e também poderá se esbaldar na cidade mágica que vai ser levantada ao lado da Daslu. Quem chegou mais cedo à tenda montada em Puerto Madero (uma Vila Olímpia bem mais charmosa, à beira do Rio de la Plata), pôde tirar fotos, cedidas gratuitamente por dois patrocinadores argentinos, na frente de um cenário do Saltimbanco, e visitar duas outras tendas, um pouco menores que a do palco principal, com comes e bebes e muitas lembrancinhas - que vão desde o próprio programa do espetáculo, que lá custava 25 pesos (R$ 20), passando por camisetas estilizadas do show, de 50 a 120 pesos (R$ 42 a R$ 100), a uma máscara toda bordada de 800 pesos (R$ 665).Os sempre atrasadinhos não precisam se preocupar, pois terão tempo suficiente para conhecer o complexo no intervalo de meia hora de Saltimbanco, que dura 2h40. Dia 3 de novembro estréia do show mais colorido do Cirque, no Rio. Até o dia 3 de dezembro eles se apresentarão no estacionamento do Barra Shopping. As vendas por lá terão início no dia 29 em diversos pontos da cidade e no site da Ticketmaster, com ingressos que vão custar de R$ 90 a R$ 250 - com valor adicional de R$ 150 que dá acesso ao Tapis Rouge, área reservada aos vips entre os vips.Sessenta e um contêineres em 50 caminhõesSe o complexo Cirque du Soleil logo de cara já impressiona, imaginem então as coxias desse espetáculo que, segundo Clark, ?é o menor de todos em turnê?. Sessenta e um contêineres, trazidos por 50 caminhões, são distribuídos em fileiras para recriar, a cada parada, a cidade mágica. O maior deles é o da cozinha, com cerca de 10 mesas, fornos e geladeira industriais. Cinco chefs revezam-se para alimentar toda a trupe de Saltimbanco formada por 120 pessoas, dentre as quais 51 são artistas. ?Preparo muitas comidas que lembram as ?de casa?, as típicas do país de cada um. Os artistas e funcionários trazem as receitas e tentamos fazer os ?pratos da mamãe?, para matar um pouco as saudades?, conta uma dos cinco chefs, Amira Eskenazi, filha de israelenses, nascida em Montreal. Não há nutricionistas e cada artista pode se alimentar com o tamanho da fome que lhe apertar.E por falar em saudade, essa já é uma companheira de toda equipe. ?Quando estamos em turnê, volto para casa uma vez a cada dois anos?, diz Nicolle Liquorish, de 33 anos, 14 deles no Cirque. ?Eu comecei no próprio Saltimbanco, depois fui para o Quidam e voltei ao Saltimbanco, todos espetáculos itinerantes. Não gosto de me fixar num lugar. Fico entediada.?A definição ?família? vai muito além de um simples laço fraterno existente em qualquer circo: muito tempo na estrada juntos, logo, muitas paqueras, namoros e casamentos. Nicolle, por exemplo, namora há três anos e meio um outro integrante da trupe, com quem divide não só o quarto (não, eles não dormem mais em trailers, só em luxuosos hotéis), como também os mastros chineses e a balança russa. Para o público, o símbolo da família dos saltimbancos é representada pelo pai, a mãe e o filho contorcionistas do número chamado Adagio. Mas nas coxias também tem a figurinista que ?está ficando? com um chef de cozinha, a relações públicas que namora o coordenador de produção...Na cidade encantada, onde a boa energia reina, ainda há a escola, muito bem instalada em dois contêineres, para os filhos dos artistas e para os próprios artistas mirins. Com duas professoras, há quatro alunos, entre eles o canadense Maxsim Vintilov, filho dos ucranianos Andrey e Oxana, que emociona com sua força e habilidade em belíssimas coreografias em Adagio. ?Seguimos a carga horária do currículo regular de Quebec, com 25 horas por semana, adaptadas às horas livres de cada um. Também estudamos os países pelos quais passamos, sua geografia, sua política?, conta uma das professoras, Louise Vaillancourt, de 27 anos.E como todos são filhos de Deus, maus dias e maus humores também existem. Se por um lado é vantajoso estar na estrada com um espetáculo e conhecer o mundo, por outro, é todo dia a mesma maquiagem (que demora, no mínimo, uma hora para ficar pronta), são os mesmos números, as mesmas músicas cantadas - sete, oito, nove vezes por semana. ?Não tem jeito, temos de fazer o show mesmo assim?, diz Nicolle. ?Minha saída é escolher uma pessoa da platéia e fazer o meu show só para ela. E, na maioria das vezes, ela nem sabe disso.?Ingressos somente para o período vespertino, em SPSaltimbanco, do Cirque du Soleil. Ainda há ingressos à venda para o período vespertino em São Paulo. No Rio, as vendas para o público começam no dia 29.Local do espetáculo: Chedid Jafet, s/n, esquina com Juscelino Kubitschek (no Empreendimento ERGI-JK, ao lado da Daslu). De 3 de agosto a 22 setembro, em São Paulo. De terça à sexta, às 21 horas; sábados às 17 horas e às 21 horas e domingos às 16 horas e às 20 horas. Mais informações: 6846-6000.A vinda do Cirque du Soleil ao Brasil é uma realização em conjunto da CIE Brasil, da Visa e do Bradesco. Albany, TAM, IBM e Morumbi Shopping oferecem apoio cultural. De 3 de agosto a 22 de outubro, em São Paulo. Confira o preço das entradas e os principais locais de venda: Preços: VIP: R$ 220,00 e R$ 250,00 - Setor I: R$ 170,00 e R$ 200,00 - Setor II - R$ 100,00 e R$ 120,00 Locais de Venda: Credicard Hall: Das 12 horas às 20 horas diariamente. Av. Nações Unidas, 17.955, Santo Amaro. Locais de Venda com taxa de conveniência: São Paulo Citibank Hall De 2.ª. a sábado, das 12 horas às 20 horas; domingos e feriados, das 14 horas às 20 horas. Av. dos Jamaris, 213, Moema. FNAC Pinheiros Das 10 horas às 22 horas diariamente. Av. Pedroso de Moraes, 858, Pinheiros. FNAC Paulista Das 10 horas às 22 horas diariamente - Avenida Paulista, 901 ou Alameda Santos, 960 - Jardins; FNAC Campinas De 2.ª a sábado, das 10 horas às 22 horas; domingo e feriados, das 10 horas às 16 horas. Saraiva Mega Store De 2.ª a sábado, das 10 horas às 22 horas; domingos e feriados, das 13 horas às 21 horas. Loja AM/PM Posto Ipiranga Gravatinha De 2ª à 6ª das 9 horas às 21 horas; sábado das 9 horas às 18 horas. Av. Portugal 1756, Bela Vista, Santo André. Livraria Siciliano: 6.ª e sábado das 10 horas às 22 horas; 2ª a 5ª, domingo e feriados, das 10h30 às 20h30. Rua Cardoso de Melo, 630. Brasília FNAC De 2ª a Sábado das 10 horas às 22 horas; domingo e feriados, das 12 horas às 21 horas. Park Shopping, SAI/SO Área 6580. Curitiba FNAC De 2ª a Sábado, das 11 horas às 22 horas; domingo e feriado das 14 horas às 20 horas. Park Shopping Barigüi, Av. Professor Pedro Parigot de Souza, 600. Rio de Janeiro FNAC Barra Shopping De 2.ª a sábado, das 10 horas às 22 horas; domingo e feriados, das 15 horas às 21 horas. Av das Américas, 4666, Barra da Tijuca Para outras localidades: 0300-7896846Pela Internet: http://www.ticketmaster.com.br/

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.