"Saia Justa" reúne comadres com Q.I.

O programa Saia Justa, queestréia nesta quarta-feira no canal GNT, é acima de tudo um grandeencontro de comadres. Mas comadres inteligentes e com estilo,diga-se de passagem. Para encabeçar esse ´tricô´ com Q.I., aemissora recrutou quatro mulheres, que são nomes de destaque emsuas respectivas áreas de trabalho: a jornalista MônicaWaldvogel, a roqueira Rita Lee, a atriz Marisa Orth e aescritora Fernanda Young. Uma vez por semana, elas discutirão, ao vivo, não sóassuntos ditos do universo feminino, como moda e beleza, porexemplo, mas também se pautarão a partir de temas da atualidade.Filosofia, política, bolsa de valores, arquitetura, educação,entre outras vertentes, poderão perfeitamente nortear obate-papo do quarteto, que se caracteriza pelas diferenças.Diferenças de idade, de carreira e de opiniões. "São mulheres inteligentes, interessantes,profissionais, bem resolvidas, capazes de se sustentar sozinhas,mas que gostam da companhia dos homens", descreve, comentusiasmo, a produtora-executiva do programa, Suzana VillasBoas. "Elas têm comportamento feminino, com habilidade de mudarrapidamente de assunto, de conversar com entusiasmo sobre cadaum deles e de usar o corpo na hora de falar." Segundo Suzana, apenas Mônica Waldvogel era presençadefinitiva desde o início do projeto. Além de participarativamente dos debates, a jornalista terá a função de´mediadora´ das conversas. Já as demais participantes vieram deuma longa lista de nomes. Mas no final das contas, a químicaentre Marisa, Mônica, Rita e Fernanda, de acordo com a produtora não poderia ser mais perfeita. "Até então, elas não seconheciam, apesar de uma acompanhar o trabalho da outra",conta. O primeiro contato entre o quarteto se deu num recenteshow de Rita Lee, mais especificamente no camarim da cantora."Elas estão muito interessadas, muito curiosas umas pelasoutras", alegra-se Suzana. Para ela, Saia Justa não deve se segmentar entre opúblico feminino. "É um programa para mulheres que, atualmente,não conseguem se enxergar na televisão brasileira, mas tambémpara os homens, que cada dia mais querem saber como essamulherada pensa." As quatro participantes endossam essa tese."A mulher não é exatamente bem representada na TV", comentaMarisa Orth, que diz sentir falta, em especial, de programasvoltados para a faixa etária dos 30 anos. "O Saia Justa traráalgo novo. Nós falamos bastante e isso é bom." Co-autora de sucessos na telinha, como Os Normais eComédia da Vida Privada, a escritora Fernanda Young acreditaque o programa é uma oportunidade para se dedicar a assuntospertinentes ao universo feminino. Para ela, a relação com asnovas colegas está "deliciosa". "Somos diferentes, atuando emáreas diferentes", pondera. "Ninguém quer provar nada paraninguém. Eu sou a melhor Fernanda Young que tem, a Marisa Orth éa melhor Marisa Orth que existe e assim por diante." Bem-humorada como sempre, Rita Lee brinca afirmando quefoi escolhida pela GNT para entrar no time por ser mais um rostobonito. "Eu, como elas, uma mulher à beira de um ataque denervos, achei muita simpática a proposta do programa", diz."Vou ficar olhando essas mulheres inteligentes falarem."Cercada por homens a maior parte do dia - marido, filhos eintegrantes da banda -, a roqueira garante que será ótimo passaralgum tempo em companhia só de mulheres. Em meio a essas mulheres de personalidade forte, está anão menos atuante Mônica Waldvogel, que usará sua experiênciapara dirigir as discussões. "A idéia é que o papo role àvontade, mas um programa ao vivo precisa de uma ordem",explica. "Vamos prolongar alguns assuntos mais interessantes ediminuir outros." Sob a direção de Ric Ostrower, Saia Justainicialmente trará alguns quadros, como Saia Justa da Semana citando o momento mais constrangedor de destaque nosnoticiários, e Compra da Semana, com prestações de serviço.Serviço - Saia Justa. Canal GNT. 4.ª, às 21 h, comreapresentações 5.ª, às 3, 10 e 16 h, e sáb., às 21h30

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.