'Saia Justa' na agulha

Novo elenco do antigo programa do canal GNT é afinado, mas precisa de ajustes

Cristina Padiglione, de O Estado de S.Paulo

15 de março de 2013 | 02h47

SÃO PAULO - Deixem a Maria falar, por favor. Maria é a Ribeiro, atriz, uma das quatro novas saias do Saia Justa, ao lado das jornalistas Astrid Fontenelle e Bárbara Gância, além da também atriz Mônica Martelli - que até é divertida, mas ainda esbarra em certa euforia e acaba falando demais.

Na nova formação do programa, Maria tem intervenções precisas e sucintas, sendo a mais atropelada pelas demais. Surpresa na roda, Maria Ribeiro foge do lugar-comum - "Pessoa que transa no segundo encontro, eu não confio. Ou transa no primeiro, ou... bom, enfim...", disse no programa de anteontem. Outra: "Eu acho um absurdo ele não falar disso", em reação à afirmação de Bárbara sobre "um cantor que não tem uma perna e não gosta de falar disso".

Maria tem a discordância que faltava àquela roda em suas últimas formações. Faz oposição às colegas, sem perder a ternura e sem que para isso seja necessário escalar o sexo oposto para entrar na conversa, como ocorreu no último ano.

Mas faltava ainda outro componente que justificasse o título do programa, e ele apareceu com força incontestável nesta segunda edição do novo Saia Justa, exibida anteontem. Afinal, posar de bacana diante das câmeras, com make up e figurinos benfeitos, é um prazer para qualquer mulher convidada a desfilar por ali. Árdua é a tarefa de comentar assuntos que possam expor seus dramas, criando daí a tal saia justa. Eis que Bárbara não fugiu do front e, diante do tema alcoolismo, afirmou com todas as letras que é alcoólatra e bebeu por 30 anos, até chegar "ao fundo do poço". Contou que foi levada a se tratar pelo amigo Ruy Castro.

Entra então Lúcia Guimarães dos Estados Unidos, com matéria que motiva o assunto a seguir: romance pela web. As saias duvidam que essa coisa de encontros virtuais tenha êxito. De novo, é Maria quem quebra o senso comum, anunciando que seu pai se casou com uma mulher que conheceu pela internet.

Foi bom esperar pelo segundo programa para perceber como a afinação entre um novo elenco tem grandes chances de vingar com o passar do tempo, mas, a considerar o potencial verborrágico e as saudáveis diferenças entre as meninas da vez, o ritmo da prosa ainda pode ser melhor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.