Sai vencedor do Cunhambebe

O Prêmio Cunhambebe de Literatura Estrangeira foi para o romance Deixe o Grande Mundo Girar (Record), de Colum MacCann. Em seguida, classificaram-se Vício Inerente, de Thomas Pynchon, e Solar, de Ian McEwan, ambos editados pela Companhia das Letras. Instituído em 2007 com a intenção de privilegiar a literatura estrangeira de qualidade e que não desponta nas listas de best-sellers, o Cunhambebe privilegiou As Benevolentes (Alfaguara), de Jonathan Littell, na primeira edição. Nas seguintes, foram contemplados Putas Assassinas (Companhia das Letras), de Roberto Bolaño, e A Fantástica Vida Breve de Oscar Wao, de Junot Díaz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.