Sai o novo Guia de Produção Cultural

Amanhã, às 19h30, no Sesc Pompéia, será lançado o Guia Brasileiro de Produção Cultural 2001. De autoria do músico Edson Natale, o livro, que está na terceira edição, sistematiza procedimentos e dicas para artistas e produtores, com informações atualizadas sobre os detalhes de uma empreitada cultural.Além de reunir, por exemplo, 2.500 endereços, o guia traz 11 entrevistas com fomentadores culturais de áreas diversas que, sem meias palavras, analisam a atual produção - um dos atratativos da obra. O grande salto da nova edição, segundo Natale, é justamente esse capítulo, Curta Linguagem, porque agregou ao guia uma abordagem crítica inexistente nos anteriores. "Acho que essas conversas são boas contribuições tanto para o intercâmbio de áreas quanto para quem faz cultura, tem projetos superinteressantes, mas está distante do eixo Rio-São Paulo, sem os recorrentes workshops e palestras", afirma ele. "Algumas delas tocam em algumas feridas da produção cultural e revelam justamente esse momento de questionamento sobre o que está sendo feito hoje. E elas têm como ponto de partida as próprias ações de seus idealizadores." Os entrevistados foram: Dora Kaufman, Flávio Paiva, Helena Katz, Hermano Vianna, Hugo Possolo, Maria Apparecida Bussolotti, Maurício Pereira, Paulo Freire, Rubens Matuck, Tárik de Souza e Washington Olivetto.Natale também acredita que o seu projeto lançado a cada dois anos - e hoje bem sucedido (a edição contou com o apoio do Sesc São Paulo, The British Council e Instituto Suba, do qual é presidente) - deve caminhar para uma discussão mais ampla e reflexiva de política cultural.Música - Embora o Guia Brasileiro de Produção Cultural 2001 contenha informações gerais sobre quase todos os ramos artísticos, ele é principalmente uma obra de referência para quem atua na área musical. "Essa é uma preocupação constante e sobre a qual procuro ter o máximo de cuidado, pois sou músico e não quero que o guia fale somente para a minha área", comenta ele. "Acredito ter conseguido me aprofundar mais e até sugerir dicas, como no caso da área de dança."O livro está dividido em nove capítulos, desenvolvidos em cerca de 240 páginas. O primeiro é o planejamento, destrinchado em subitens como o roteiro para o planejamento, avaliação do cenário, definição de objetivos, escolha de estratégia, comunicação, recursos (e o seu controle) e o foco do empreendimento. Tratadas de forma esclarecedora, essas questões contam com a consultoria de fontes confiáveis, citadas por Natale ao fim de cada capítulo, com os seus contatos.O segundo capítulo é o mais técnico e fornece informações sobre questões jurídicas e explica, por exemplo, as diferenças entre os conceitos de propriedade intelectual e industrial, direitos de autor de natureza patrimonial e direitos de autor de natureza moral. Ainda são discutidos nessa parte: direitos autorais, registros de obras, contratos, royalties e edição de obras musicais. Os demais capítulos detalham a formatação do projeto (incluindo itens sobre as leis de incentivo à cultura), a produção gráfica, a produção de eventos, a comunicação e as questões internacionais - item solicitado pelo British Council. Com essa instituição, Natale deve ainda realizar um novo guia, entretanto, com outro direcionamento. Por fim, o capítulo Endereços, que reúne cerca de 2.500 e abrange diversas áreas de produção cultural em todo o território brasileiro. O Guia Brasileiro de Produção Cultural 2001 custa R$ 25,00 e pode ser comprado pelo site www.natale.com.br e pelo tel. 0-11.3871-0413.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.