Sai no Brasil "Os Invictos", de Faulkner

Quando o escritor norte-americanoWilliam Faulkner (1897-1962) morreu, o New York Timespublicou, em seu obituário: "Os escritos do sr. Faulknermostram uma obsessão por assassinato, estupro, incesto, suicídio ganância e depravação em geral que não existe em lugar algum, anão ser na mente do autor." Faulkner era também um obcecadopelo estilo (por hora, vamos deixar de lado seus conhecidíssimosproblemas com a bebida) e criou uma linguagem própria paraconstruir sua comédia humana do sul dos Estados Unidos. A obsessão estilística não deixa de estar presente emOs Invictos (Arx, 320 págs., R$ 38), o seu 19º romance,publicado no ano de sua morte - a obra sai em fevereiro noBrasil, pela primeira vez. Mas, quanto às outras, a obra escapaum tanto da definição do jornal. The Reivers, seu título original, vem de uma palavrado escocês arcaico que designa ladrões, mas que poderia muitobem ser traduzida por malandros, de acordo com o espírito dolivro. Trata-se um romance divertido, em que a alegria contrastaradicalmente, por exemplo, com o Faulkner de EnquantoAgonizo, também lançado pela Arx e também traduzido por WladirDupont. O ano, não se esqueça, avisa o próprio William Faulkner,é 1905. Em Jefferson, Mississippi, que integra o condadofictício de Yoknapatawpha, vivem Lucius, um menino de 11 anos,mas já em plena atividade econômica ("a premissa do pai eraesta: qualquer homem adulto digno poderia manter bem seus quatrofilhos contanto que um deles, de preferência o maior, levassenas costas o fardo das atividades econômicas indispensáveis"). Seu avô, um homem que apresenta uma boa dose deresistência às novidades, acaba decidindo comprar um carro, poruma necessidade puramente local. Todos os dias, para que o motornão quebre, o veículo dá uma volta, e as pessoas que entram nocarro têm de usar um estranho equipamento. O carro, no caso, também é um protagonista do romance,mas é a trajetória do garoto e de seu amadurecimento que dãosentido à história. Isso porque o carro do avô de Lucius será roubado, pelomenino e pelos seus cúmplices: o primo Boon Hogganbeck ("eleera forte, leal, corajoso e completamente irresponsável; mediaum metro e noventa, pesava 110 quilos e tinha a mentalidade deuma criança; mais de um ano antes o pai já começara a dizer quea qualquer momento eu superaria Boon") e um outro personagem,chamado Ned McCaslin ("eu tenho tanto direito de viajar quantovocê e Lucius"). Eles partem em uma viagem em direção a Memphis Tennessee. O livro foi adaptado para o cinema em 1969, com SteveMcQueen no papel de Boon, por Mark Rydell. Em português, recebeuo título de Os Rebeldes.

Agencia Estado,

24 de janeiro de 2003 | 17h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.