Arquivo/AE
Arquivo/AE

Sai livro com última entrevista de José Saramago

'A Última Entrevista de José Saramago' é do jornalista português José Rodrigues dos Santos

estadão.com.br,

02 de agosto de 2010 | 20h10

O escritor português José Saramago 1922-2010) concedeu uma longa entrevista a um jornalista português oito meses antes de morrer. O resultado do encontro está no livro "A Última Entrevista de José Saramago" de José Rodrigues dos Santos, publicado pela Editora Usina de Letras.

 

Segundo o jornalista, "o livro conta a forma como o Saramago via a literatura e a vida. Essa foi a única entrevista em que ele abordou toda a sua obra do primeiro ao último romance, o que faz do livro um material inédito. Essa publicação é importante porque nos traz os últimos pensamentos do primeiro e único Nobel da nossa língua". Saramago conquistou o Nobel em 1998.

 

 

José Rodrigues dos Santos é um prestigiado jornalista português, apresentador da rede RTP, para a qual realizou uma série de entrevistas com escritores como Ian McEwan, Günter Grass, Dan Brown, Isabel Allende, Paulo Coelho e Paul Auster, reunidas no livro Conversas com Escritores.

 

Título: A Última Entrevista de José Saramago

Autor: José Rodrigues dos Santos

Editora: Usina de Letras

Selo: Vermelho Marinho

Número de páginas: 64

Preço: R$ 18,00

 

 

Confira frases de Saramago que estão no livro:

"Uma história bem construída é indispensável; aquilo tem de estar

estruturado, tem de manter-se de pé... Mas nos últimos tempos tornei-me

consciente disso: o fundamental é a linguagem";

"Creio que os leitores tiveram uma parte importante no fato de eu

continuar a escrever. Também é certo que, se continuei a escrever, foi

porque, pelo menos penso eu, tinha alguma coisa para dizer";

"No fundo, para lhe dar uma imagem, é como se o romance fosse o mar e

recebesse água dos seus afluentes, e que esses afluentes fossem, como eu

digo, a poesia, o drama, o ensaio, a filosofia, tudo isso";

"Eu sabia como acabaria o Caim, sei como acabará o livro que neste

momento estou a escrever, e o que costumo dizer é que um romance meu, maior

ou pequeno, no fundo cresce como uma árvore";

"Vi quatro pontos e, para mim, esses quatro pontos eram muito

simplesmente eu. E vim a saber que não eram porque eu estava naquela cama e,

portanto, eu era aquele" ;

"Falamos como quem faz música; toda a fala e toda a música se

constrói com sons e pausas. No meu caso, nos meus livros, nem sequer me

atreveria a chamar à vírgula e ao ponto sinais de pontuação. Chamo-lhes

sinais de pausa: uma pausa breve e uma pausa mais longa - como se fosse

música, digamos assim" ;

"O romance - de acordo com as transformações por que passou

recentemente e continua a passar - deixou de ser um gênero para se

transformar num espaço literário";

"Agora que eu, ainda que ateu, estou empapado em cristianismo, estou

como está você, como está qualquer outra pessoa".

 

Tudo o que sabemos sobre:
José Saramago

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.