Sai em espanhol polêmica biografia do alemão Günter Grass

´Descascando a Cebola´ chega às livrarias de alguns países da América Latina

Agencia Estado

02 de julho de 2007 | 19h14

A polêmica biografia do escritor Günter Grass, Descascando a Cebola, na qual confessa ter participado de grupos hitleristas durante a 2.ª Guerra Mundial, acaba de ganhar uma edição em espanhol, Pelando las Cebollas, simultaneamente à edição norte-americana e poucos meses após chegar às livrarias alemãs. O livro ainda não chegou às livrarias do Brasil. A publicação de Descascando a Cebola em espanhol, que sai pela editora Alfaguara, selo da Objetiva, é acompanhada pela reedição de O Tambor de Lata, romance que ganhou o Prêmio Nobel de Literatura de 1999 e foi seu trampolim para a consagração. Em Descascando a Cebola, Günter Grass admite sua incorporação à Waffen SS quando a guerra já estava perdida para a Alemanha, mas o delírio ainda fazia supor outro destino para seu povo e país. Grass relembra também sua adolescência na destruída Alemanha do pós-guerra, a fome e as privações; seu trabalho como mineiro em meio à escassez e a decisão de exilar-se em Paris, onde durante dois anos foi planejando O Tambor de Lata, que o transformou em escritor e permitiu que recuperasse a auto-estima após a derrota. Revelações "As lembranças se assemelham a uma cebola que quisesse ser descascada para descobrir aquilo que, letra por letra, pode ser lido nela", escreve Grass na introdução do livro. Para muitos, a confissão sobre seu passado demorou tempo demais para ser feita. "Aquilo que aceitei com o orgulho tonto de meus jovens anos, quis calar depois da guerra por vergonha sempre renovada. No entanto, o peso persistia e ninguém podia amenizá-lo", reconhece o autor alemão no texto. Grass se lembra de sua passagem pela Waffen SS como uma aprendizagem súbita de embrutecimento no manejo de armas e tanques para defender a Alemanha antes da queda. Apesar disso, Grass assegura que "não sabia nada dos crimes de guerra que logo vieram à tona, mas a afirmação de minha ignorância não pode ocultar a consciência de haver estado integrado a um sistema que planificou, organizou e levou a cabo a aniquilação de milhões de seres humanos". ´Responsabilidade´ "Ainda que pudera convencer-me de não ter tido uma responsabilidade ativa, sempre ficava um resto, que até hoje não se apagou, e que com demasiada freqüência se chama responsabilidade compartida. Viverei com ela até o fim de meus dias, isso é certeza", reconhece na biografia, que demorou três anos para ser finalizada. A autobiografia de 479 páginas aborda a vida de Grass entre 1939 e 1959, e começa quando, ao completar 12 anos, a Alemanha provoca a 2.ª Guerra Mundial com a invasão da Polônia. O livro de Grass pode ser lido também como um relato trágico de uma época de barbáries, que aflora a partir de uma história pessoal e em que convive, ainda desde a dor, o renascimento de uma Europa diferente, que voltava a viver depois dos bombardeios e das batalhas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.