Sai a lista do Prêmio Multicultural Estadão

Pelo sétimo ano consecutivo, dez criadores culturais e quatro fomentadores foram indicados para participar do Prêmio Multicultural Estadão. A escolha dos nomes foi feita por uma comissão independente, formada por nove membros representativos da cultura nacional, com acompanhamento de três curadores: Yacoff Sarkovas, consultor especializado em patrocínio e comunicação empresarial; Helena Katz, jornalista e crítica de dança, e Dib Carneiro Neto, editor do Caderno 2. O patrocínio do prêmio é mais uma vez da Serasa, empresa de informações de análises econômicas e financeiras sobre crédito do Brasil, fundada em 1968.Este ano, os indicados na categoria criadores são: os músicos do Duo Assad, o documentarista Eduardo Coutinho, o escritor Francisco Dantas, a coreógrafa Lenora Lobo, a musicóloga e educadora Lydia Hortélio, o maestro e compositor Moacir Santos, o ensaísta Muniz Sodré, o grupo de teatro Oi Nóis Aqui Traveiz, a artista plástica Rivane Neuenschwander e o cineasta Ruy Guerra. Na categoria de fomentadores, disputam: Canal Brasil, emissora da TV paga voltada para o cinema brasileiro; as Jornadas Internacionais de Cinema da Bahia, evento de resistência, renovação e conhecimento, organizado por Guido Araújo; a Fundação Museu do Homem Americano (Fundham), por meio da diretora-artística do Pró-Arte Fundham, Lina do Carmo, e seu Festival Interartes, realizado no sítio arqueológico da Serra da Capivara, onde Lina desenvolve pesquisas coreográficas; e o Centro Universitário Maria Antônia (dirigido por Lorenzo Mammi), em São Paulo, que firmou perfil de atuação ligado à investigação artística.Os indicados, devem ser, acima de tudo, agentes catalisadores de transformações no processo cultural. As fronteiras artísticas estão em constante renovação no mundo contemporâneo. A alma do Prêmio Multicultural Estadão é justamente contemplar e destacar essa diversidade cultural brasileira em toda sua potencialidade, sem distinção de atuação ou localização geográfica. Como acontece em todas as edições da premiação, um colégio eleitoral vai escolher três entre os dez criadores e um entre os quatro fomentarores. A previsão é a de que a votação tenha início no dia 3 e, novamente, toda ela será realizada exclusivamente pela internet.Os três criadores mais votados ganham láurea e R$ 30 mil cada um. O fomentador eleito terá seu trabalho destacado, mas não receberá recursos, como está previsto no regulamento, por causa de sua condição profissional ou jurídica, pois envolve empresários, instituições, profissionais em cargos políticos ou executivos. Algumas novidades estão sendo planejadas para esta edição do prêmio. Entre elas, a distribuição de painéis eletrônicos, da Eletromídia, por regiões estratégicas de São Paulo. Neles, serão exibidos, durante um mês, um pouco da vida e obra dos indicados. Os vencedores ganharão espaço nos painéis durante mais um mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.