Saci é visto por aí e vira tema de festival

Em 1917, o escritor Monteiro Lobato lançou no Estado uma campanha: o inquérito do Saci, em que pedia aos leitores que lhe mandassem casos de aparições do Saci - o menino que pulava de uma perna só, pitando cachimbo e usando gorro vermelho. São muitos os mitos e lendas que rodeiam o personagem do nosso folclore e há quem jure que já o tenha visto por aí. Como diz o jornalista Manuel Lume, na cidade de São Luiz do Paraitinga, a 180 quilômetros de São Paulo, há inúmeros contadores de histórias que dizem terem visto o menino. Ele e mais um grupo de "saciólogos", como o pesquisador Vladimir Sacchetta - que até organizou um livro com os artigos reunidos no inquérito lançado por Lobato -, Jô Amado, o violeiro Ivan Vilela fundaram em julho a Sociedade dos Observadores de Saci, a Sosaci, com a idéia de divulgar e "promover o resgate e a valorização do folclore brasileiro" e que entre hoje e domingo realiza um festival sobre esse personagem em São Luiz do Paraitinga. O lema é "espantar" duendes, gnomos, e outras "modas importadas". Durante o evento, especificamente amanhã, o grupo lança uma campanha com passeata e abaixo-assinado para se instituir o Dia do Saci para 31 de outubro, "por acaso, o Halloween" - o dia das bruxas importado dos EUA. A proposta vai ser enviada para o Congresso e para o Ministério da Cultura. Durante esses três dias, a cidade vai abrigar contadores de histórias, mamulengos, artesãos, violeiros e debates com a presença de jornalistas, pesquisadores, escritores, tudo envolvendo a cultura popular. Até mesmo as escolas da cidade foram mobilizadas e seus alunos mostrarão desenhos e contos criados em torno da figura do Saci. Em 2001, São Luiz do Paraitinga realizou o Festival do Lobisomem, iniciativa do pesquisador e contador Giba Pedroza e do artesão da cidade Benito Campos. A idéia se espalhou. Agora, crianças e adultos poderão "reviver antigas brincadeiras", como a corrida com uma perna só, os concursos de melhor assobio e gargalhada e de "melhor causo" sobre o personagem. O material será filmado e poderá se transformar em uma publicação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.