Ruy Mesquita é tema do "Observatório da Imprensa"

O diretor do Estado, Ruy Mesquita, será homenageado nesta terça-feira, no programa Observatório da Imprensa, da TVE, às 22h30, com reprise no sábado às 20 horas. O programa, que é exibido, ao vivo, em São Paulo, pela TV Cultura, vai comemorar os 80 anos de idade que o jornalista completa nesta semana. A homenagem terá a participação do próprio jornalista, além de seus filhos e de Aloísio Maranhão, editor de opinião do jornal O Globo. O apresentador e jornalista Alberto Dines elogia o diretor do Estado. "A nossa função é observar e criticar, mas também ver as grandes figuras", diz Dines. "É um feito Ruy estar há muito tempo numa dupla função, de jornalista e empresário. Acho que ele é um homem que gosta de papel e isso está ficando raro."Palestra - Na semana em que completa 80 anos, Ruy Mesquita foi o convidado a dar a palestra de abertura da segunda semana de aula do 9.º Master em Jornalismo - Gestão de Empresas de Comunicação, do Centro de Extensão Universitária, em São Paulo. Ruy Mesquita lembrou, na conversa com os alunos, a missão do jornal desde que seu avô, Julio Mesquita, assumiu a direção da empresa, na última década do século 19. "Nunca se visou à conquista de poder, mas ao aperfeiçoamento das instituições políticas e à transformação do País numa democracia", disse. "O Estado mantém a pretensão de defender idéias. É uma missão."Ruy Mesquita, que há 56 anos vive o jornalismo diariamente, é um dos maiores defensores do espaço de Opinião do jornal, o grande diferencial hoje do Estado entre as grandes publicações, segundo ele. "O mais importante é a objetividade com que se dá uma opinião e a qualidade do texto."É exatamente pelas páginas de Opinião e por artigos de colunistas que Ruy Mesquita começa, diariamente, sua leitura, por volta das 6 horas da manhã. Mais tarde ele conversa com os editorialistas do Grupo Estado e encomenda textos para a equipe."A opinião do Estado é única", diz. E completa: "O desafio do Estado é ser objetivo. Assumimos nossa posição, mesmo em assuntos controversos do ponto de vista ideológico". Segundo ele, não há um editorial que não tenha reação imediata da área atingida. "Mas não é por isso que nos furtaremos de assumir sistematicamente determinadas posições."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.