Rumos da arte contemporânea

O Centro Universitário Maria Antonia inaugura outrasquatro mostras individuais que evidenciam, na prática, como sãoamplos os domínios da arte contemporânea. Os selecionados paraas primeiras exposições do ciclo de eventos de 2003 são: AnaPaula Oliveira, Eliane Prolik, Paulo d´Alessandro e RenatoMadureira. Trata-se de uma mostra paralela à de AntonioLizárraga, Explorando questões, materiais e conceitos bastantedistintos, os quatro ocupam de maneira interessante ediversificada o espaço do Centro Maria Antonia. A curitibanaEliane Prolik, que realizou mostra individual na cidade em 98 eesteve presente na última Bienal de São Paulo, exibe trêsdiferentes trabalhos, que se unem numa mesma ação de construçãoescultórica no espaço, formando o que a artista chama de"acontecimento plástico". Trata-se sobretudo de umainvestigação formal de materiais apropriados do cotidiano (elaparte de elementos de desenho semelhantes aos utilizados emutensílios de cozinha, como cabos de panela) e reconstrói comeles um exercício formal de provocação do olhar. Ana Paula, a mais jovem dentre os artistas, também partepara uma relação de exploração do material - no caso, a graxa -numa referência a Beuys. Os outros dois jovens artistas, situados no pisoinferior (2.º andar), parecem estabelecer um diálogo um poucomais concreto. Apesar de Madureira trabalhar com a escultura ecom o desenho e D´Alessandro ser um fotógrafo, os dois lidam emseus trabalhos com questões como a precariedade, com as idéiasde construção e destruição. Madureira lida com enormes fitas de aço - já meiocorroídas pela ferrugem -, que torce e movimenta comsimplicidade impressionante. Também há na produção do artistamineiro interessante sincronia entre o desenho - queliteralmente esculpe na parede - e a escultura. "O Amílcar (deCastro) disse certa vez que quando faço escultura, eu desenho. Eque quando eu desenho, faço escultura", resume ele. Já D´Alessandro, que vem participando intensamente docircuito de exposições paulistano, dá continuidade a suapesquisa de superposição de imagens, associando o risco doaleatório a um comentário cada vez mais evidente sobre aimpossibilidade de referências sólidas e estáveis no nosso mundocontemporâneo.Serviço - Ciclo Maria Antonia. De segunda a sexta, das 12 às 21horas; sábado e domingo, das 9 às 21 horas. Centro UniversitárioMaria Antonia. Rua Maria Antonia, 294, São Paulo, tel.3255-5538. Até 16/3

Agencia Estado,

12 de fevereiro de 2003 | 18h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.