Rotas lendárias sobre trilhos

O avião pode ser rápido, mas nada substitui a magia de pegar um trem e acompanhar as mudanças de cenário passando pela janela. Para os apaixonados por locomotivas, poucas viagens exercem maior fascínio do que as rotas lendárias percorridas por trens de luxo. E nenhum deles é mais célebre que o Expresso do Oriente.

Fabiana Caso ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2010 | 00h00

Pano de fundo de livros de Agatha Christie e Graham Greene, a rota foi criada em 1883 para ligar Paris e Istambul - passando por diversos países europeus, incluindo a Hungria e outros do leste. Os ambientes luxuosos atraíram um séquito de milionários e aristocratas. Mais do que atingir o destino, habitar o hotel seis-estrelas naquela atmosfera era a viagem.

Apesar de o serviço ter sido interrompido em momentos turbulentos e de as rotas terem sido alteradas diversas vezes, a locomotiva atravessou os séculos. Depois de uma reforma em 1982, continua na ativa.

Os 17 vagões transportam 148 passageiros. Com requinte em cada detalhe: da decoração art déco aos lençóis de linho, passando por copos de cristal e talheres de prata.

Até Veneza. Atualmente, a viagem de Paris a Istambul é feita só uma vez por ano, em agosto. Dá para ter um gostinho, porém, nas saídas mensais de uma noite que levam de Paris a Veneza. No Brasil, a TT Operadora (lufthansacc.com) vende essa viagem. Sem parte aérea, sai a partir de US$ 2.600 por pessoa em cabine dupla.

A empresa Orient-Express (orient-express.com), que comprou a mítica locomotiva, também opera o Eastern Express, trem que corta o Sudeste Asiático, passando pela Tailândia e pelo Laos.

Como um marajá. Um palácio sobre rodas. É essa a alcunha do indiano Maharajas Express (rirtl.com), que revive a história do país. Apesar de ser usado para viagens turísticas apenas recentemente, o trem pertenceu a um marajá, assim como uma série de outros no país.

Há alguns vagões que compõem uma única suíte, enorme. Nela, requintes como a torneira de ouro do banheiro convivem com a tecnologia. Na janela, passam cartões-postais como Bombaim, Agra e Delhi.

Para se sentir um marajá, basta fazer parte do grupo seleto que pode desembolsar a partir de US$ 9.369,00 por pessoa em cabine dupla, para o percurso de 11 dias - à venda no Brasil em operadoras como a Queensberry (queensberry.com.br).

OUTROS TRENS

Blue Train

Reis e presidentes africanos viajaram a bordo desse trem, que também carrega uma aura mística. A rota principal vai de Pretória à Cidade do Cabo, na África do Sul. Atualmente, dois trens estão em atividade: um acomoda 74 passageiros em 37 suítes e o outro 58 em 29 quartos. Uma das suítes tem até banheira. Site: www.bluetrain.co.Za

Great Brazil Express

Apesar da falta de tradição ferroviária, o Brasil também tem seu trem de luxo, que funciona desde 2008 no Estado do Paraná. Os ambientes esbanjam refinamento: a decoração evoca o Brasil colonial, com direito a teto pintado à mão com imagens da flora do País. O ponto de partida da rota é Curitiba. O roteiro de quatro dias passa por Morretes, Piraquara, Ponta Grossa e Irati, antes de chegar a Cascavel. A viagem é feita durante o dia, à noite os passageiros são instalados nos hotéis. Informações: serraverdeexpress.com.br

Transcantabrico

Pela janela, um quadro de montanhas e paisagens fantásticas do norte da Espanha. O trajeto liga Léon a Santiago de Compostela ou San Sebastian ao mesmo destino final. Depois de fazer a pé o caminho tido como místico, muitos peregrinos voltam de trem, usufruindo dos confortos a bordo. Mais: transcantabrico.com

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.