Roqueiros dos anos 80 reabrem Circo Voador

O Circo Voador está de volta à Lapa, no centro da cidade. Anteontem, sua coordenadora, Maria Juça, e o secretário municipal de Urbanismo, Alfredo Sirkis, apresentaram a nova casa, com capacidade para 1.400 pessoas. A reabertura oficial será na quinta-feira, com um show de roqueiros dos anos 80 (Lobão, Evandro Mesquita, Roberto Frejat e Guto Goffi, do Barão Vermelho) e músicos que vieram depois, como Marcelo D2, Bnegão, Pitty e Marcelo Yuka. Na sexta e sábado haverá mais rock e, no domingo, volta a Domingueira Voadora com a Orquestra Tabajara, de Severino Araújo. "Reabrir o Circo foi uma missão nestes últimos oito anos que, definitivamente, não foram os melhores da minha vida", disse emocionada Maria Juça, produtora dos shows de rock do Circo, que começou no Arpoador em 1981 e mudou-se para a Lapa no fim de 1982, onde ficou até 1996. No fim daquele ano, Luiz Paulo Conde foi comemorar lá sua vitória nas eleições municipais e recebeu uma vaia fenomenal do público punk dos Ratos do Porão. O prefeito César Maia, aproveitou a ocasião e fechou o circo. "Receber a chave da prefeitura é o reconhecimento de um trabalho", comemorou Juça. O novo Circo custou R$ 3 milhões à prefeitura e levou três anos para ser construído. No quesito conforto, equipara-se às melhores casas do Rio. Terá programação diária: samba na segunda, rock na terça, música latina na quarta, lançamentos na quinta, shows de artistas consagrados na sexta e sábado e a Domingueira Voadora. Os ingressos vão custar de R$ 5 a R$ 24. Para o último fim de semana de julho, estão programados Celso Blues Boy e Yamandú Costa. Durante o dia, haverá oficinas de dança, circo e a creche para 80 crianças, criada em 1982.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.