Romero de Andrade recria tradição do presépio

Sempre aliando artes plásticas aoteatro, o artista pernambucano Romero de Andrade Lima criouespetáculos memoráveis, como um Auto da Paixão, aplaudido emSão Paulo e elogiado por críticos dos jornais franceses LeMonde e Figaro quando apresentado no Festival de Avignon,em 1999.A partir de sábado, Romero, com sua Companhia Circo Branco, faz mais uma de suas apresentações bissextas na cidade. Mais precisamente, ele é o criador do Presépio da Paz, armado noSesc Belenzinho. Trata-se de um presépio tradicional, a recriação do nascimento de Jesus por meio de esculturas do Jesusmenino, de Maria e José, dos Pastores, do burro e do boi e dos Reis Magos, entre outras figuras. Mas esse presépio ganha umavida especial a cada sábado e domingo, durante uma hora inteira,sempre a partir das 18 horas.Pastoril - Não se trata de dar vida às figuras sacras eprofanas, mas sim de recriar o ato solidário, coletivo ereligioso da feitura do presépio. "Existe uma tradição popularde organização do presépio, um ritual ligado ao pastoril, comcantos religiosos e uma ritualização do ato de armar o cenáriodo nascimento de Jesus. Um ritual que pode envolver a comunidadeou ocorrer informalmente, entre famílias, na casa das pessoas. Eessa tradição ainda existe não só no Nordeste, mas também emcidades do interior e até nos subúrbios de cidades maiores",diz Romero.E vai ser essa celebração, de montagem do cenário donascimento de Jesus, que o público poderá apreciar e até mesmoparticipar por meio do canto, no Sesc Belenzinho a partir desábado. Pouco antes do início do ritual, as esculturas serãoretiradas do tablado sobre o qual está montado o presépio. Apartir daí, elas serão trazidas ritualmente pelos atores - trêshomens e dez mulheres.Para cada figura, Romero selecionou uma canção dorepertório religioso. "O público receberá as letras. Cantarjunto não é obrigatório, mas a experiência mostra que isso acabaacontecendo, como no Auto da Paixão." Entre as canções pelomenos uma - Calix Bento - se tornou conhecida até por quemnão tem nenhuma ligação com a religião católica, a partir dagravação do cantor Milton Nascimento.Calix Bento é cantada no momento em que Jesus éapresentado aos pastores e foi escolhida pelos últimos versos -E da flor nasceu Maria/De Maria o Salvador/Oiá meu Deus - etambém pela possibilidade do público unir-se ao canto", dizRomero. Cada uma das músicas foi escolhida de acordo com afigura que entra em cena e, assim, as letras acabaramdispensando outras formas narrativas. "Não sou um pesquisadordas tradições populares", afirma. "Como artista, confio naminha memória de coisas que vou observando e recolhendo nasfestas populares."Memória - Ao retrabalhar artisticamente essa memória,Romero costuma ser respeitoso com sua origem, a ponto de terlevado os críticos franceses a perguntarem: "Teatro ou atoreligioso?" Nem uma coisa, nem outra. "Não se pode falar emencenação no caso do presépio. Talvez ritualização seja umapalavra mais apropriada. Acho que o público pode participar comespírito de celebração religiosa. Obviamente, o ritual defeitura de presépio no Sesc Belenzinho não é um ato religioso,mas tentei fazer com que sua realização não se afastasse dessecaráter."Daí a opção pela "familiaridade" desde à forma dasesculturas, passando pelo figurino dos atores até aos arranjosmusicais. "Não optei pela facilitação, mas evitei oestranhamento. "Criei as figuras representativas de Jesus,Maria e José, por exemplo, sem me afastar da forma barroca com aqual as pessoas estão familiarizadas. Embora o materialutilizado na feitura dos santos seja o barro, eles recebem umtratamento de forma a darem a impressão de terem sido talhadosem madeira. Também usam roupas fabricadas em tecido bordado deacordo com a tradição popular. E ainda cabelos naturais." Já osatores vestem roupas cotidianas. "Chegamos a pensar emfigurinos, mas acabamos optando por algo que lembre a ´roupa demissa´, ou seja, um vestuário cotidiano, caprichado para odomingo, porém sem muitos adornos."Presépio da Paz. Encenação: sábados e domingos, às 18horas. Exposição: de terça a sexta, das 13 às 21 horas; sábado edomingo, das 9 às 17 horas. R$ 5,00. Sesc Belenzinho. AvenidaÁlvaro Ramos, 991, tel. 6605-8143. Até 23/12. Abertura sábado,às 9 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.