Romance de Rubem Fonseca inspira dança

Eliana Cavalcante, José Maria Carvalho e Sofia Cavalcanti levam ao palco do Teatro Sesc Anchieta o espetáculo Agosto, que estréia amanhã e fica em cartaz até o dia 22. A fonte de inspiração veio do romance homônimo de Rubem Fonseca, como o título da peça já denuncia. Um trabalho que relaciona várias linguagens, a dança, a música e as imagens, por meio de projeções. Fernando Lee, que assina a direção coreográfica, não apresenta uma versão dançada do romance. A idéia é utilizar elementos expressivos do livro, como a investigação policial e a relação entre os personagens.Agosto, de Rubem Fonseca, narra a trama política do fim da era Vargas, mais especificamente no tenso mês de agosto de 1954. Um delegado pobre e não corrupto do Rio investiga o assassinato de um milionário, no mesmo período em que Carlos Lacerda sofreu um atentado. Ainda nessa época, o major Vaz, da Aeronáutica, foi assassinado. Foi o estopim para uma crise que culminou no suicídio de Vargas. Mas, voltando ao delegado, ele estava envolvido com duas mulheres, uma ex-namorada rica, culta e casada com o mandante do primeiro assassinato, e a atual mulher, uma ex-prostituta sustentada por um negociante envolvido indiretamente nas duas mortes. O clima entre todos esses personagens estava como a época: tenso. No entanto, como o diretor não tem a intenção de identificar os personagens no palco, essa introdução basta. Lee destaca a relação pessoal do personagem central, o delegado, com as suas duas mulheres. Diante do ambiente criado entre essas três figuras centrais o diretor elaborou toda a movimentação dos bailarinos. E a música, composta por Lívio Tragtenberg, dá o tom ao espetáculo. O ponto de partida para a pesquisa dos movimentos foram os textos e o material encontrado em arquivos. As diferentes experiências cênicas de cada bailarino deram espaço a várias possibilidades para articular a dança. Mas ainda faltava algo. Para dar mais expressividade a Agosto, criaram projeções a partir de corpos se movendo e uma colagem de filmes, de fotos e do noticiário da época, notadamente do acervo do Estado e de outros jornais. Esse trabalho é continuidade da pesquisa que as bailarinas Eliana e Sofia Cavalcanti começaram com o espetáculo Ancas da Tradição. Aqui, o foco de atenção estava no corpo e nas imagens projetadas nele. A produção uniu dança, slides e vídeos e o roteiro seguia as canções de Tom Zé. O projeto Agosto recebeu o Prêmio Estímulo para Novas Linguagens Coreográficas da Secretaria de Cultura, o que permitiu a produção, e conta com uma parceria do Sesc-SP.Agosto. Direção e interpretação de Eliana Cavalcante e Sofia Cavalcante. Com José Maria Carvalho. Direção coreográfica de Fernando Lee. Música de Lívio Tragtenberg. Duração: 60 minutos. Segunda e terça, às 21 horas. De R$ 7,50 a R$ 15,00. Teatro Sesc Anchieta. Rua Dr. Vila Nova, 245, tel. 256-2281.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.