Romance de Cristóvão Tezza é eleito melhor do ano

Cristóvão Tezza ganha o prêmio de melhor romance de 2004, da Academia Brasileira de Letras, com O Fotógrafo. O livro marca o retorno do autor à ficção, depois de um jejum de seis anos dedicados à teoria literária. O prêmio será entregue no próximo dia 22 de julho, na sede da ABL. Tezza é autor de títulos premiados como Breve Espaço entre Cor e Sombra, ganhador do Machado de Assis em 1998, e do prestigiado estudo de teoria literária Entre a Prosa e a Poesia - Bakhtin e o formalismo russo. O escritor nasceu em Lages, Santa Catarina, em 1952, mas vive em Curitiba há mais de 30 anos, cidade que adotou também como pano de fundo de seus romances. É doutor em literatura pela USP e professor de lingüística da Universidade Federal do Paraná. Embora a maior parte de sua obra seja composta por romances, Tezza já atuou como poeta, contista, ensaísta e dramaturgo. A história de O Fotógrafo se desenvolve ao longo de um único dia na vida de cinco personagens, na Curitiba de 2002, às vésperas da eleição presidencial. A narrativa principal acompanha o fotógrafo sem nome do título. Ele se dispõe a seguir Íris, uma bela jovem, e fotografá-la em segredo pelas ruas. O homem misterioso que o contratou para o serviço paga US$ 200 por cada filme não revelado com fotos da moça. Embora o trabalho seja relativamente fácil e o dinheiro seja bom, o fotógrafo falha logo de cara, sentindo-se atraído pela jovem, ele vai ao seu apartamento e se apresenta a ela com uma desculpa qualquer, a fim de vê-la mais de perto e fotografá-la como um artista, não como um paparazzo.O texto revela os pensamentos ora de um, ora de outro, numa trama elaborada. Várias ações simultâneas são mostradas, uma de cada vez, num vaivém de pontos de vista. O livro foi publicado pela editora Rocco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.