ROCKUm sopro de criatividade no rock nacional

O TERNO

O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2012 | 03h08

66

Independente

Preço: R$ 20

BOM

Psicodelia e bons ecos da chamada vanguarda paulistana se ouvem em 66, álbum de estreia do grupo de rock O Terno. Elementos como humor inteligente, letras bem construídas e experimentação estão entre outras formas de expressão que o trio formado por Tim Bernardes (voz, guitarra e órgão), Guilherme "Peixe" (baixo) e Victor Chaves (bateria) têm como maneira de fazer música contemporânea brincando com o passado. E esse passado inclui a presença do pai de um deles, Mauricio Pereira, autor de metade das 10 canções do álbum, uma delas um clássico do grupo Os Mulheres Negras, Purquá Mecê, parceria com André Abujamra. Com show de lançamento marcado para o dia 22, sexta-feira, no Auditório Ibirapuera, o trio já vem conquistando grandes plateias em São Paulo. E tem de cara um forte candidato a hit, a ótima faixa de abertura e que dá nome ao CD, assinada por Bernardes, o principal compositor do grupo. Com participações de Maurício Pereira, Marcelo Jeneci e Dino Vicente no CD, o grupo surge como um sopro de criatividade na minguada cena do rock brasileiro atual. Com seis anos de experiência e músicas bastante curtidas antes de serem gravadas, o que dá mais peso ao disco. / LAURO LISBOA GARCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.