Roberto Piva declama seus poemas

Roberto Piva, o poeta xamã, maldito, urbano e sabe-se lá quantos adjetivos mais, vai declamar poesia neste sábado, às 17h, na livraria Futuro Infinito. O poeta, que guarda influências de Fernando Pessoa, Murilo Mendes, Allen Ginsberg e Walt Whitman, parece reunir tudo isso para criar uma poesia que evoca São Paulo em cada verso. E muito mais.É uma rara oportunidade de ver e ouvir Piva lendo seus poemas. Seu livro mais famoso Paranóia foi relançado recentemente pelo Instituto Moreira Salles. Publicado originalmente em 1963, pela editora Massao Ohno, os poemas foram ilustrados com fotos de São Paulo compostas pelo artista plástico Wesley Duke Lee. (T.R.)Futuro Infinito - R.Oscar Freire, 2.303 - Estação Sumaré do Metrô, tel: 30645358

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.