'Roberto não sabe, mas sou terrível'

Paulo César de Araújo ainda espera pela liberação da biografia do Rei

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2010 | 00h00

SÃO FRANCISCO XAVIER

Amigos em Portugal avisaram: apesar de proibido no Brasil, o livro Roberto Carlos em Detalhes é facilmente encontrável em pelo menos três livrarias de Lisboa, inclusive encomendável pela internet. "E eu continuo não ganhando nada com isso", lamenta-se o biógrafo Paulo Cesar de Araújo, cuja obra foi proibida de continuar circulando no Brasil em fevereiro de 2007, depois que uma decisão judicial atendeu ao pedido de Roberto Carlos - o cantor sentiu-se ofendido pela biografia, que considerou invasiva. Com isso, 11 mil exemplares foram recolhidos e continuam sob a guarda do cantor.

Araújo confidenciou seu desapontamento ao Estado antes de participar, ontem de manhã, de uma mesa de debates ao lado de Guilherme Fiúza, autor de Bussunda - A Vida do Casseta (Objetiva), no último dia do 3.º Festival da Mantiqueira, realizado na cidade de São Francisco Xavier, distrito de São José dos Campos. O tema era justamente "biografias" e foi mediado pelo jornalista Rubens Ewald Filho, diretor da Coleção Aplauso, da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, dedicada a contar a vida e trajetória de artistas diversos. "Também enfrentamos problemas com biografados", relevou. "Manoel Carlos adorou o texto sobre sua vida, mas sumiu com os originais, assim como José Wilker."

Guilherme Fiúza contou não ter enfrentado o mesmo problema ao escrever sobre o humorista Bussunda, que morreu em 2006. "Tive grande apoio da viúva, Angélica, e do irmão do Bussunda, Sérgio", comentou. "Mas enfrento ainda um processo por conta de outro livro."

O entrave é referente a Meu Nome Não É Johnny (Record), adaptado para o cinema por Mauro Lima em 2008. "Um ex-traficante, que já saiu da prisão, alega que sua privacidade foi invadida e, como já cumpriu sua pena, o livro representaria uma nova condenação", disse o escritor, que já venceu em primeira instância.

Apesar de seu processo já ter se encerrado, Paulo Cesar de Araújo aguarda pela liberação da obra. "O Roberto Carlos não sabe, mas também eu sou terrível", brinca. Enquanto isso, ele acerta com a Companhia das Letras a edição de um livro sobre os bastidores dos 15 anos de pesquisa, que renderam também a obra Eu Não Sou Cachorro, Não (Record). "De Tom Jobim a Waldick Soriano, tenho diversas gravações."

LIRA NETO BIÓGRAFO

"O Brasil é um país cheio de histórias inacreditáveis, que precisam ser contadas de alguma forma."

LEANDRO NARLOCH ESCRITOR

"Ler não é tão essencial. Acho saudável também consultar um site ou ver alguma Sitcom."

RONALDO CORREIA DE BRITO ESCRITOR

"Somos mais um povo de faladores que de leitores, daí a importância da literatura oral."

ALTAIR MARTINS AUTOR

"Escritor é como um grande um coletor de sucatas: ele ouve histórias corriqueiras, desinteressantes até, e as transforma em literatura."

ALBERTO GOLDMAN

GOVERNADOR, SOBRE O TÍTULO DO LIVRO DO ANGOLANO ONDJAKI, AVÓDEZANOVE E O SEGREDO DO SOVIÉTICO

"Não entendi nada. Acho que é pra ajudar na venda."

IVAN SANT"ANNA

QUE PREPARA LIVRO SOBRE O ACIDENTE DA TAM EM 1996, EM SÃO PAULO

"As pessoas gostam de ler sobre desastres de avião."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.