Roberto Carlos não vai pedir a retirada do novo livro de Paulo Cesar

Depois de ler ‘O Réu e o Rei’, advogado do cantor conclui: nova obra não faz ofensa, injúria nem difamação ídolo da jovem guarda

Julio Maria, O Estado de S. Paulo

31 de maio de 2014 | 03h00

Roberto Carlos não vai pedir a retirada do novo livro do biógrafo Paulo Cesar de Araújo das lojas. O Réu e o Rei, lançado há duas semanas pela Companhia das Letras, conta a história do próprio Paulo em paralelo à vida de Roberto e fecha com os bastidores da luta judicial de 2007, quando o cantor pediu a retirada da biografia Roberto Carlos em Detalhes, alegando ofensa à sua moral e invasão de privacidade.

O advogado de Roberto, Marco Antonio Campos, divulgou na tarde de sexta-feira, 30, o seguinte comunicado: “Com relação ao livro O Réu e o Rei, Roberto Carlos não vai tomar qualquer medida jurídica, em face de: a) O livro não ser uma biografia sua, mas uma autobiografia do autor; b) Ao contrário do livro anterior, não conter invasão de sua privacidade e/ou injúrias ou difamações à sua pessoa”. A nota diz ainda que “o livro Roberto Carlos em Detalhes não foi censurado ou apreendido, mas saiu do mercado em face de um acordo judicial, irrevogável e definitivo, assinado espontaneamente pelo autor do livro, o editor e a editora”.

Paulo Cesar recebeu a decisão como “um problema a menos” em sua vida, mas disse que ainda não tem o que comemorar. “A nota não ficou só no livro de agora. Ela tem um sentido duplo, que quer reafirmar a proibição do primeiro (Roberto Carlos em Detalhes). A nota reafirma a censura. Eu queria mesmo era que ele (Roberto) encerrasse esta questão de vez.”

Durante a conversa com a reportagem, Paulo pediu que o repórter lesse a nota novamente por telefone e refletiu sobre o item B citado pelo advogado: “Ao contrário do livro anterior, não conter invasão de sua privacidade e/ou injúrias ou difamações à sua pessoa”. Paulo indignou-se. “Ora, meu caro. Se não tem invasão de privacidade nem injúria nem difamação neste, não pode ter no outro! Não pode! Neste livro eu falo as mesmas coisas que falei no outro, falo até mais.”

Ele diz que fará sua defesa na Justiça baseado agora nos argumentos do comunicado. “Uma bela nota, vou usá-la em minha defesa para liberar o outro livro.” Ele adianta que só está esperando as novas definições da Lei das Biografias saírem para voltar aos tribunais em busca da liberação do livro retirado do mercado em 2007. O Senado e o STF têm nas mãos votações sobre a questão para permitir que as biografias sejam lançadas sem autorização do biografado.

::: Cultura Estadão nas redes sociais :::
:: Facebook ::
:: Twitter ::

A Companhia das Letras fez uma primeira tiragem de O Réu e o Rei com 30 mil exemplares mas, depois da grande procura, resolveu imprimir mais 15 mil. A editora também emitiu um comunicado na tarde de ontem. Ela considera o livro de Paulo Cesar o “relato da pesquisa e dos passos que fizeram com que a biografia de Roberto Carlos fosse retirada do mercado – um marco na história da luta pela liberdade de expressão no Brasil, e, em particular, da luta pela liberdade de publicação de biografias e livros que retratem a história do nosso país. Como todos os editores, aguardamos agora que o Senado dê continuidade à tramitação do projeto da nova Lei das Biografias”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.