CAU/BR
CAU/BR

Roberto Alvim troca presidência do Iphan

Sai Kátia Santos Bogéa, no cargo desde 2016, e entra a arquiteta Luciana Rocha Feres

Sandra Manfrini e Mateus Vargas, O Estado de S. Paulo

11 de dezembro de 2019 | 09h11
Atualizado 11 de dezembro de 2019 | 15h37

O governo fez mais uma troca na área cultural e exonerou nesta quarta-feira, 11, a presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico (Iphan), Kátia Santos Bogéa. Para seu lugar foi nomeada Luciana Rocha Feres. Os atos de exoneração e nomeação estão publicados na edição desta quarta-feira do Diário Oficial da União.

Feres é arquiteta e urbanista, professora e consultora na área de patrimônio cultural. Segundo seu perfil em redes sociais, a nova presidente do Iphan também é doutoranda em "ambiente construído e patrimônio sustentável" na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).   Ela já ocupou cargo de direção na Fundação Municipal de Cultura da Prefeitura de Belo Horizonte na gestão de Márcio Lacerda (PSB), que foi prefeito da cidade até 2016, e de gerente cultural no Sesc de Minas Gerais.

Como o Estado já tinha noticiado, a demissão de Kátia Bogéa já era dada como certa dentro do governo. Ela ocupava o posto desde 2016 e é ligada ao ex-presidente José Sarney, cacique do MDB. 

Após o novo secretário de Cultura, Roberto Alvim, iniciar a troca de nomes em vários órgãos, o deputado Hildo Rocha (MDB-MA) chegou a enviar uma carta ao presidente Jair Bolsonaro na qual defendia a permanência de Bogéa no cargo e enalteceu o trabalho da aliada à frente do Iphan. A carta foi enviada em nome da Frente Parlamentar em Defesa do Patrimônio Histórico e Nacional, presidida por Rocha. 

Ontem, após se reunir com Bolsonaro, Alvim disse que o governo não irá "aparelhar" a produção artística do Brasil e afirmou que ainda avaliava a troca da presidência do Iphan. "Estamos estudando o caso do Iphan. Meio bilhão de reais que o órgão lida por ano. É um caso muito complexo. A gente está estudando delicadamente e com muito esmero o caso", disse.

Em outro ato, também publicado no Diário Oficial da União desta quarta, o governo exonerou o secretário de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual da Secretaria Especial de Cultura, Maurício Carlos da Silva Braga, e nomeou para o cargo Marcos de Almeida Villaça Azevedo. No final da manhã, Alvim exonerou também Katiane Gouvêa, secretária do Audiovisual. A decisão será publicada em edição extraordinária do Diário Oficial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.