Nilton Fukuda/ Estadão
Nilton Fukuda/ Estadão

Roberto Alvim, que criticou Fernanda Montenegro, é nomeado novo secretário de Cultura

No final de setembro, Alvim atacou com ofensas a atriz; em uma postagem no Facebook, ele a chamou de 'sórdida' e 'mentirosa'

Mateus Vargas e Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

07 de novembro de 2019 | 17h12
Atualizado 07 de novembro de 2019 | 21h30

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro nomeou nesta quinta-feira (7) o dramaturgo Roberto Alvim para o cargo de secretário especial de Cultura, o mais alto da pasta, e disse que ele terá “porteira fechada”. A expressão é usada quando o gestor tem total liberdade para compor sua equipe e uma forma de dizer que ele chega ao cargo com prestígio.

Questionado sobre a mudança na pasta, Bolsonaro afirmou: "Está na mão de um tal de Roberto Alvim. Porteira fechada para ele", disse, para mais tarde completar: "A classe artística deve ficar feliz. Lei Rouanet, vem muita coisa boa por aí", em referência a possíveis mudanças em uma das principais políticas de financiamento do setor.

Alvim provocou revolta no meio artístico, no fim de setembro, ao chamar a atriz Fernanda Montenegro de “intocável” e “mentirosa”. O diretor de teatro é discípulo do escritor Olavo de Carvalho e defende o engajamento de artistas conservadores em pautas do governo. Ele se aproximou de Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral de 2018, quando declarou apoio ao então candidato do PSL ao Palácio do Planalto.

O dramaturgo atuava como diretor do Centro de Artes Cênicas (Ceacen) da Fundação Nacional das Artes (Funarte). O Estado antecipou que o nome dele era avaliado para o cargo de secretário. 

A nomeação ocorreu no mesmo dia em que a Secretaria Especial de Cultura foi transferida para ficar sob o guarda-chuva do Ministério do Turismo. Antes, a pasta estava subordinada ao Ministério da Cidadania, ocupado pelo ministro Osmar Terra.

Troca de ministérios alivia potencial de críticas a Osmar Terra

A troca de ministérios retira das mãos de Terra uma área que lhe rendia críticas tanto da classe artística como de pessoas do governo. Além disso, ainda permite que Alvim e o ministro não convivam sob o mesmo teto. A relação de ambos sofreu desgastes recentes e é vista como turbulenta, segundo pessoas do governo. Além do tom irônico ao declarar que artistas ficariam satisfeitos com a indicação de Alvim, Bolsonaro também indicou que mudanças serão feitas na Funarte e Agência Nacional do Cinema (Ancine).

Nesta semana, o pianista Miguel Proença foi exonerado da presidência da Funarte. A articulação pela queda foi atribuída a Alvim. Ao Estado, Proença disse que defender a atriz Fernanda Montenegro foi fator decisivo para a sua saída.

Alvim é o terceiro nome no comando da Cultura em menos de três meses. O economista Ricardo Braga deixou a pasta na última quarta-feira, após 60 dias no cargo, sem deixar qualquer ação de destaque. Em setembro, a saída de Henrique Pires da Secretaria já havia escancarado a crise na área. Pires disse que deixava o governo por se opor à suspensão do edital que selecionava obras sobre a temática LGBT para exibição em TVs públicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.