Rita Lee se despede do "Saia Justa"

A direção do canal GNT não pretende escalar alguém para ocupar a vaga de Rita Lee no quarteto do Saia Justa. Ao menos por enquanto. De acordo com a diretora-geral do canal, Letícia Muhana, o programa receberá convidados "muito especiais" em uma primeira fase. "A partir do dia 27 e não sei até quando, a atração terá convidados. É um consenso que seria muito ruim colocar outra pessoa, que também será execpcional e terá a sua estrela, neste momento", afirma Letícia, que tem em mente não mais do que 10 nomes para a vaga - Fernanda Montenegro e Maria Bethânia não estão entre eles, como já se especulou. "E será uma saia, não uma calça", avisa.Segundo a diretora, os convidados estarão ligados aos temas dos programas. Assim, nada impede que homens participem do bate-papo das luluzinhas. Do clube do bolinha, até hoje, somente os presidenciáveis Ciro Gomes, José Serra e Antony Garotinho sentaram-se no sofá com as meninas. "Não falo em substituição. Acho que o programa vai encerrar uma fase e começar outra. E por isso acredito também que não é interessante fechar portas. Pode ser uma mulher, um homem, um gay, o principal é que essa pessoa queira e goste de conversar com a gente", diz Mônica Waldvogel, que explica que a saída de Rita já foi bastante conversada entre elas. "Este período será uma espécie de transição para nós. Um luto. Nós quatro ficamos muito amigas."A roqueira gravará sua última participação no próximo dia 18 (a atração vai ao ar no dia seguinte), na edição de número 100. "Quando fechamos com ela, há dois anos, sabíamos que a sua prioridade é a música. Já estamos no lucro", comenta Letícia, que pretende dar um clima alegre à despedida. Segundo comunicado da emissora, Rita, que se diz "feliz e atarantada", não está conseguindo conciliar a atração com os shows do último álbum, Balacobaco. Mas Rita Lee pode ganhar um programa só seu na Band. A cantora visitou a diretora Marlene Mattos na sede da emissora na calada da noite, por volta de 23 horas, para falar sobre o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.