Rio vê redescobrimento a partir de hoje

A Mostra do Redescobrimento abre hoje para convidados e amanhã para o púlico carioca com dois de seus módulos. Cangaço: um Redescobrimento e Negro de Corpo e Alma, estarão expostos respectivamente no Espaço Cultural dos Correios e Casa França-Brasil. Amanhã será vez do módulo Artes Indígenas, que vai ocupar o Museu de Arte Moderna. Cangaço vai até 15 de janeiro, Negro de Corpo e Alma até 9 de janeiro e Artes Indígenas até 14 do mesmo mês. Algumas alterações do que se viu em São Paulo poderão ser conferidas no Rio. O módulo Cangaço: um Redescobrimento inaugura com tamanho três vezes maior que no Ibirapuera, pois em São Paulo ele foi parte do módulo Arte Popular, e no Rio ganhará uma exposição inteira. Já Artes Indígenas chega ao MAM um terço menor. O espaço original de 5 mil metros quadrados não pôde ser reproduzido no Rio de Janeiro. O MAM colocou à disposição 1,5 mil metros quadrados para as artes indígenas. A exposição do cangaço está dividido em três partes: irredentismo, ordem pública e documento, os dois últimos inéditos. No primeiro, a indumentária e objetos que revelam a independência com que o nordeste produzia seus utilitários. Ordem pública conta a história da repressão ao desejo de liberdade do povo nordestino, através das várias gerações de poder militar em ação naquela região do País. Documento traz a farta memória registrada que sobrou do passado nordestino. Destaque para o trabalho de fotografia de Benjamin Abrahão Botto, repórter sírio refugiado no nordeste brasileiro que retratou a intimidade dos cangaceiros de Lampião. O Espaço Cultural dos Correios programou exibições diárias de três vídeos sobre o cangaço: O Cangaceiro: Traje e Utensílios, Memória do Cangaço e A Estética do Cangaço. Não serão cobradas entradas para este módulo.Artes Indígenas está menor, mas não deixou nenhuma categoria de fora. "Tivemos que diminuir o módulo, mas todos os tipos de objeto continuam representados", diz o professor José Antônio Braga, curador deste módulo. "Há menos cestos, por exemplo, mas os cestos estão representados, este foi o critério", diz. A cinemateca do MAM encampou a programação da mostra e vai exibir a retrospectiva O Índio sob o Olhar do Cinema, com entradas gratuitas, entre 9 e 12 de novembro. Cangaço: um Redescobrimento - Espaço Cultural dos Correios. Rua Visconde Itaboraí 20, Centro. Tel: 503- 8770. Terça a domingo das 12h às 20h. Entrada franca. Negro de Corpo e Alma - Casa França-Brasil. Rua Visconde de Itaboraí 78, Centro. Tel: 253-5543. Terça a domingo das 12h às 20h. Ingressos R$4,00. Artes Indígenas - Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique 85, Aterro. Tel: 210-2188. Terça a sexta das 12h às 18h, sábado e domingo das 13h às 20h. Ingressos R$8,00.

Agencia Estado,

09 de outubro de 2000 | 20h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.