Rio homenageia mineiro Pedro Nava

O prédio onde morou o escritor Pedro Nava, na Glória, foi escolhido para receber neste sábado a centésima placa de bronze do projeto Identificando Bens da Secretaria Municipal de Cultura do Rio. A prefeitura procura identificar monumentos ligados à cultura carioca e aos personagens marcantes da história da cidade, homenageando nomes como Machado de Assis, Leila Diniz e Carlos Drummond de Andrade. Muitas placas são requisições dos próprios moradores ou comerciantes, que valorizam seus imóveis e os tornam pontos de atração turística.O projeto Identificando Bens, do Departamento Geral de Patrimônio Cultural, nasceu em 1991 com a função de indentificar imóveis tombados pela Prefeitura. Hoje a iniciativa da Secretaria de Cultura se expandiu e podem receber as placas de bronze (de latão na verdade) locais importantes na paisagem carioca e personagens e vultos da história. "O importante é incentivar a população a conhecer sua história, a importância do patrimônio cultural e sua preservação", explica a arquiteta Laura di Blasi, coordenadora do projeto.A placa de homenagem a Pedro Nava foi uma solicitação da associação de moradores do bairro da Glória. A Secretaria de Cultura tem se limitado a identificar, por iniciativa própria, imóveis inaugurados pela Prefeitura, como o recém-criado Centro Cultural de Santa Cruz, além dos incorporados ao patrimônio municipal, como a Casa de Afonso Arinos, em Botafogo. Em sua maioria, as homenagens provêm de pedidos dos moradores, comerciantes e representantes de órgãos nacionais e internacionais. "A prefeitura pode fazer a placa em sistema de parceria. Quando não há verba disponível, o solicitante paga os R$ 900 do custo de material e nós ficamos responsáveis pelo lay-out e a pesquisa, que atesta a importância e veracidade das informações trazidas", diz Laura. O Consulado Argentino solicitou a identificação das ruas com nomes de personagens importantes da história argentina, como as ruas Bartolomeu Mitre, San Martin e Gal. Urquiza, no Leblon, a famosa praça Saens Peña e rua Gal. Rocca, ambas na Tijuca. O Consulado Belga fez questão de identificar a rua Rainha Elizabeth, em Copacabana - que os cariocas achavam se tratar da rainha inglesa - como Rainha Elizabeth da Bélgica. O dono do restaurante Arteggiano , no Leblon, descobriu que aquele imóvel era um prédio residencial onde morou a atriz Leila Diniz e pediu uma placa ilustrativa. Também recebeu uma identificação o restaurante na Tijuca que serviu de locação para o filme de Carlos Manga, Esse Milhão é Meu (1958), com Oscarito e Zezé Macedo. "O dono trouxe o filme aqui para nós avaliarmos e constatamos que era verdade", conta Laura.Outros imóveis de grandes personagens da cultura brasileira que moraram ou nasceram na cidade também entraram no rol do projeto. É o caso da casa de Machado de Assis, em Laranjeiras, Clarice Lispector, no Leme, Carmem Miranda, na Urca e do artista plástico Roberto Moriconi, em Santa Tereza. Nesta última homenagem, o edifício Apiacá, Rua da Glória, 190, receberá a placa referente a Pedro Nava, médico e escritor. De seus livros, destacam-se Baú de Ossos, Balão Cativo e Chão de Ferro. A inauguração será às 10 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.