RICHARD ZENITH GANHA PRÊMIO PESSOA

Americano, que possui a cidadania portuguesa desde 2007, recebe o reconhecimento máximo da cultura lusitana

O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2012 | 02h09

O escritor norte-americano Richard Zenith vai receber 60 mil como vencedor do Prêmio Pessoa 2012, uma das maiores distinções culturais de Portugal. Segundo anunciou em Lisboa, na sexta, Francisco Pinto Balsemão, presidente do grupo Impresa, que concede o prêmio, a homenagem a Zenith se deve à sua "dedicação e ao seu louvor a uma obra, a de Fernando Pessoa, uma literatura, a nossa, e uma língua, a portuguesa".

Tradutor, crítico e pesquisador, Zenith, que tem nacionalidade portuguesa desde 2007, sucede outro literato, o ensaísta Eduardo Lourenço, vencedor em 2011.

Nascido em Washington em 1956, Zenith se formou em letras na Universidade da Virgínia e viveu na Colômbia, França e no Brasil antes de chegar a Lisboa, onde se estabeleceu em 1987, quando recebeu uma bolsa de estudos em literatura portuguesa e espanhola na Fundação Guggenheim.

Entre seus trabalhos, destaca-se a tradução para o inglês de obras como O Livro do Desassossego, de Pessoa, O Manual do Inquisidor, de Lobo Antunes. Zenith é também autor de poemas, contos e ensaios.

O nome do ganhador do Prêmio Pessoa, que está na sua 26.ª edição, foi anunciado por um júri composto por personalidades da cultura, política e economia portuguesa. O principal objetivo da comenda, que já contemplou o arquiteto Fernando Souto de Moura, em 1998, é reconhecer o trabalho de um cidadão português que tenha se destacado no último ano por seu papel relevante e inovador na vida artística, literária ou científica do país.

Neste ano, Zenith também foi lembrado por ser uma das vozes internacionais mais respeitadas para tratar da figura de Pessoa, depois de ter se dedicado durante vários anos ao estudo de sua obra, que também traduziu para o inglês. "Sua pesquisa permitiu entender de forma mais consistente domínios relativamente inexplorados da vida do escritor", destaca o texto elaborado pelo júri em sua resolução, no qual também é ressaltado que Zenith foi um dos curadores da exposição Fernando Pessoa, Plural Como o Universo, organizada em Lisboa e em São Paulo, em 2011.

Os jurados ainda levaram em conta a dedicação de Richard Zenith não só a Fernando Pessoa, mas também a outros escritores lusitanos de renome, como Luís de Camões, Antero de Quental, Sophia de Mello Breiner e Nuno Júdice. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.