Ricardo Rezende ganha o Prêmio Casa das Américas

Escritores do Peru, Brasil, Cuba e Guiana receberam prêmios pela Casa das Américas 2006, disputado por 548 obras em sua 47.ª edição. Na categoria de literatura brasileira, o vencedor do prêmio foi Ricardo Rezende Figueira com o título Pisando Fora da Própria Sombra . Os jurados o elegeram por entender que Figueira traçou um retrato da escravidão por meio de um "lúcido questionamento sociológico".Arturo Corcuera, do Peru, Angel Santiesteban e Abel Sierra Madero, de Cuba e Mark McWatt da Guiana foram os ganhadores dos prêmios deste ano.Arturo ganhou o disputado prêmio de poesia com A Bordo da Arca. O jurado destacou na poesia "a riqueza das metáforas, a profundidade e o humor como foram assumidas a busca por uma linguagem lírica original". O cubano Angel López triunfou frente a outros 143 concorrentes com seu livro de contos Dichosos Los Que Lloran, valorizado pelo jurado pela "criação de um universo carcerário violento narrado por uma escrita distante e ao mesmo tempo objetiva". Outro cubano, Abel Sierra, obteve o prêmio de ensaio histórico-social por seu livro Del Otro Lado Del Espejo. La Sexualidad En La Construcción de La Nación Cubana, onde aborda o erotismo homossexual. O autor Mark McWatt, da Guiana, ganhou na categoria de literatura caribenha em inglês o "crioulo" por sua antologia de contos de supostos autores reais, Suspended Sentences. Sua originalidade, o modo de conjugar o mágico e o real rompendo a fronteira de ambos e a presença de temas típicos da área de reflexão através de etnicidades foram aspectos se sua obra destacados pelos jurados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.