Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Ria

Todos somos capazes de rir. Cada um à sua maneira, cada um por motivos diferentes. Rir é de graça, é natural e, constantemente, estamos ou rindo ou fazendo rir. Rir é bom, faz bem, relaxa, faz tudo em volta parecer mais leve. Quando estamos felizes, sorrimos. Quando estamos bravos ou irritados, rir é a última coisa que passa pela nossa cabeça. Ou seja, rir é muito bom!

Fábio Porchat, O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2015 | 02h04

Rir é tão importante para as pessoas, tão essencial, que muitas delas pagam para rir. Elas fazem planos para rir. As pessoas se combinam: vamos rir hoje? Se preparam em casa, jantam, compram ingressos para assistirem a alguém fazê-las rir, sentam em uma plateia, as luzes se apagam e pronto, agora ela vai rir. Seja no teatro ou no cinema, é criado até um ambiente propício para pessoas se reunirem, pessoas que não se conhecem entre si, mas que estão ali com o mesmo objetivo, dar risada.

Quer dizer, olha a responsabilidade que tem um comediante. Ele está dando às pessoas aquilo que elas poderiam ter de graça, mas preferiram pagá-lo para poderem ter, especialmente dele, o que elas desejam. Elas querem passar uma hora da vida delas rindo e escolheram determinado humorista para cumprir essa tarefa. Todo mundo está em volta de uma pessoa (ou várias), emanando mentalmente: quero rir. Rir sem parar. Quero chorar de rir, ficar com a barriga doendo de tanto rir.

E, terminado o "compromisso do riso", as pessoas vão-se embora e retomam as suas vidas normalmente, vão rir delas mesmas agora. Mas aquela hora as fizeram mais felizes. Essa é a beleza dessa minha profissão. Poder fazer as pessoas rirem, do que quer que seja, tem um peso muito grande. É como recarregar as energias de alguém. De alguma forma, é como dar de comer, de beber.

Todos nós precisamos rir. A vida, sem graça, não tem a menor graça. Rir é fundamental para o ser humano, é o que nos fortalece. Os Doutores da Alegria fazem do riso uma terapia de verdade. A comédia cura. E saber que eu posso diariamente tentar curar as pessoas, me faz pensar na importância do meu ofício. E como ele precisa ser lapidado diariamente e como eu preciso melhorar a cada dia.

Se eu escolhi fazer isso da vida, eu tenho que saber que isso mexe com as pessoas e que isso precisa ser executado da forma mais perfeita possível. Porque uma piada mal feita, é um riso a menos. É como se você tivesse ido a um restaurante e o seu risoto tivesse vindo frio. É frustrante. Minh divagação pode parecer um pouco pedante, como se eu estivesse dizendo como eu sou importante, mas o que eu quero dizer é que a comédia é importante. E que ela precisa ser levada a sério por todo mundo. Principalmente por aquele que tem o principal papel nela, o que faz rir.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.