Justina Mintz/A24 via AP
Justina Mintz/A24 via AP

Revista tira James Franco da capa após denúncias de assédio

‘Vanity Fair’ removeu digitalmente o ator da edição anual sobre Hollywood após acusações de abuso sexual

Travis M. Andrews, The Washington Post

26 Janeiro 2018 | 21h41

Quando a Vanity Fair divulgou a capa de sua esperada edição anual sobre Hollywood, na quinta, muitos notaram que Reese Witherspoon parecia ter três pernas, talvez por erro de Photoshop. Mas essa não seria a única alteração digital pela qual passou a capa.

“12 Astros Extraordinários, Um Ano Excepcional”, dizia a legenda. Inicialmente, eram 13 celebridades, mas no último minuto a revista preferiu remover digitalmente o ator James Franco do conjunto.

“Decidimos não incluir James Franco na capa do número sobre Hollywood ao tomarmos conhecimento das denúncias de comportamento impróprio”, disse um porta-voz da Vanity Fair. Pelo menos cinco mulheres acusam Franco de assédio sexual

As personalidades da capa, entre elas Oprah Winfrey, Michael B. Jordan e Tom Hanks, foram fotografadas em pequenos grupos. Essas imagens foram depois combinadas digitalmente em uma imagem maior, o que indica que a decisão de excluir Franco não exigiu uma nova sessão de fotos.

+++ James Franco vai do céu ao inferno com elogios a 'O Artista do Desastre' e acusações de assédio

A estrela de Franco desceu rapidamente desde o Golden Globe Awards, em 7 de janeiro, premiação que ele venceu na categoria ator de musical ou comédia pelo papel em Artista do Desastre. O que deveria ter sido um momento de festa para o ator deteriorou-se rapidamente quando várias mulheres foram ao Twitter acusá-lo de hipocrisia por usar um pin de apoio à organização Time’s Up, que combate o assédio sexual. 

Em 11 de janeiro, o Los Angeles Times publicou uma reportagem detalhando as acusações, que incluíam o uso por Franco da posição de professor de atuação e diretor de cinema para coagir mulheres a tirar a roupa e fazer sexo oral nele. Ele continuou negando. 

Franco vem mantendo silêncio desde então, ignorando o Critic’s Choice Awards, mesmo tendo ganho como ator de comédia. Ele não conseguiu a indicação para o Oscar pelo papel em Artista do Desastre. Muitos críticos esperavam que fosse indicado na categoria de melhor ator. / Tradução de Roberto Muniz

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.