Revista rara foi furtada

Segundo Correios, edição de 1836 da Nitheroy teria sido "alvo de meliantes"

JOTABÊ MEDEIROS, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2012 | 03h08

Más notícias. A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (EBCT) informou ao sebo O Alfarrabista de Vila Mendonça que o exemplar raro da revista Nitheroy, de 1836, desaparecido após ser enviado via Sedex no dia 27 de dezembro, "foi alvo de roubo praticado por meliantes", e que a indenização ao cliente será a que prevê seu regulamento: R$ 70,70.

A revista, que contém o manifesto inicial do Romantismo brasileiro, seria destinada ao livro Poesia.br, coordenado por André Vallias, que a Azougue Editorial prepara há dois anos. O editor Sergio Cohn, da Azougue, a adquiriu por R$ 1,5 mil. Ele conseguiu comprar mais de cem livros e revistas raras em primeira edição, para ilustrar com fac-símiles e documentos, e pretendia que o lançamento fosse conciliado com as comemorações dos 90 anos da Semana de Arte Moderna. Também haverá uma exposição.

Entre a centena de livros que Cohn conseguiu reunir em suas primeiras edições, estão La Divina Incrienca (Juó Bananere), Pau Brasil (Oswald de Andrade), Cobra Norato (Raul Bopp), O Curupira e o Carão (Menotti del Picchia, Cassiano Ricardo, Plínio Salgado), Ariana, a Mulher (autografado por Vinicius de Moraes), O Engenheiro (João Cabral de Melo Neto), Sapato Florido (Mario Quintana) e Ode Fragmentária (Hilda Hilst), entre outros.

Entre as revistas, haverá primeiras edições da Klaxon, Terra Roxa, Arco e Flexa, Orfeu, Noigrandes, Revista de Antropofagia e Boletim de Ariel, entre outras.

A documentação sobre o desenvolvimento histórico da poesia brasileira, em Poesia.br, será complementada com entrevistas com 75 jovens poetas brasileiros contemporâneos e 75 autores mais "clássicos", escolhidos de forma descentralizadas (por cinco regiões e mais cinco áreas temáticas), e abrangendo poesia digital, poesia e performance, etnopoesia, poesia e música, poesia e artes visuais. O projeto também prevê 74 videopoesias de um minuto, além de dois encontros anuais de poesia. O valor do projeto, publicado no Diário Oficial da União em 19 de janeiro passado, é de R$ 1,5 milhão, mas aguarda recursos federais.

A revista que desapareceu nos Correios tinha sido enviada em dezembro por José Renato Almeida Lopes, do sebo O Alfarrabista, para a Azougue Editorial. "O impressionante é o péssimo atendimento, e o descompromisso dos Correios", lamentou o editor Cohn. Se foi furto, ele argumenta, ao menos deveriam ter feito um Boletim de Ocorrência policial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.