Revista ícone do Pop fecha devido a más vendas

A revista inglesa de cultura pop The Face, após servir como parâmetro para jovens durante os anos 1980 e 1990 sobre o que era ?cool?, fechou devido a más vendas, anunciaram hoje seus editores. Dados recentes mostram que a revista vendeu 40 mil cópias por mês entre julho e dezembro de 2003, contra 100 mil durante seu auge, nos anos 80.A revista, criada em 1980, ajudou a revolucionar o mercado de revistas britânico com seu design inovador, uso de imagens brilhantes e opiniões incisivas sobre música e moda. No entanto, ela vinha sofrendo queda intensa na circulação e as tentativas de recuperação por parte da Emap, grupo proprietário da revista, falharam. ?Apesar do grande número de interessados, não conseguimos encontrar um comprador adequado para The Face e decidimos fechar a revista?, declarou o porta-voz da Emap. A empresa disse que ainda possui os direitos da marca e que a publicação pode voltar a existir. A última edição de The Face, datada de maio de 2004, foi publicada há duas semanas. A Emap avisou previamente que terminaria a revista após a edição de maio de 2004. Por mais de 20 anos, The Face teve um papel importante nas tendências musicais e da moda dos jovens britânicos e de outros lugares. Os góticos, waif chic, as raves e o Britpop estão entre os muitos movimentos que alcançaram um enorme público por meio do design elaborado e da linguagem descontraída da revista. A publicação foi amplamente creditada por lançar a carreira da supermodel Kate Moss, que apareceu na capa da revista em 1990, aos 15 anos. A revista também ajudou a promover a estilista Vivienne Westwood, nos anos 1980. Mais recentemente, uma foto de capa com o jogador de futebol inglês David Beckham confirmou-o como ícone de estilo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.