Revista da Benetton faz dez anos

Sem moda, sem celebridades e sem textos, apenas imagens capazes de emocionar e escandalizar. Contrariando as fórmulas existentes no mercado editorial, Colors sobrevive. E para comemorar seus dez anos, os diretores da Benetton inauguram hoje simultaneamente a 58.ª edição da Pitti Immagine Uomo - encontro anual de designeres de moda - e a exposição Colors: Extra/ordinários Objetos, com cerca de mil peças exóticas reunidas ao longo da década. Para quem não puder dar uma passadinha pela Estação Leopolda, em Florença, Itália, onde ficará até o dia 16 de julho, haverá o lançamento de um livro-catálogo da mostra previsto para o início de julho, editado pela Taschen e disponível em quatro idiomas. Colors trabalha as atitudes chocantes e os hábitos exóticos dentro de uma visão, que segundo a literatura, pode ser considerada como sensacionalista. Com um tema universal escolhido previamente, os milhares de fotógrafos, jornalista e amasiados da mídia distribuídos em vários países têm a missão de ilustrar as páginas da revista encartada a cada três meses. Entre as peças exibidas na mostra ou no catálogo 1000 Extra-ordinários Objetos estarão curiosidades como uma boneca vestida com uma túnica da Ku Klux Klan, pílulas dietéticas para animais, além de uma escultura feita de papel higiênico. A mostra tem a colaboração de Peter Gabriel.Extra-ordinary - Com uma linha editorial semelhante às campanhas da Benetton, a revista chega a ser um pouco do que restou dos anos áureos da marca, que atualmente vive uma crise e corre o risco de falir mundialmente. Luciano Benetton parece ter perdido a fórmula do sucesso. Apesar de seus esforços, não consegue renovar sua coleção e nem atrair os jovens para as lojas, cada vez mais escassas.Colors nasceu em Nova York a partir de uma idéia de Luciano junto com a ousadia do empresário Oliviero Toscani. Depois de passar uma temporada em Paris, hoje a redação da revista encontra-se na Itália.Ao todo são 39 publicações, que neste mês, por ocasião da mostra e da semana de moda masculina, terá uma edição dupla especial dedicada à moda. Nas bancas a partir do dia 28, ela mostra o mundo em 5.508 modelos, entre eles, guerreiros Wodaabe, judeus ortodoxos, mulheres muçulmanas, punks, crianças e índios que refletem seu estilo e as interinfluências de seu meio. A revista é traduzida em sete línguas - inglês, italiano, francês, espanhol, croata e grego - mas com uma tiragem seleta, fazendo com que muitos fãs, nos 80 países por onde ela é distribuída, fiquem sem. Mesmo assim, a Benetton planeja a edição em japonês, sueco e húngaro. O projeto em português está longe de ser realizado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.