Retratos da maioridade

Um dos mais instigantes espetáculos apresentados em 2011, A Ilusão Cômica está de volta. Mas não será a única realização do diretor Marcio Aurélio que poderá ser vista em cena neste ano. Para comemorar os seus 21 anos, a partir de amanhã, a Cia. Razões Inversas leva ao Espaço Parlapatões uma mostra com outras três peças de seu repertório.

O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2012 | 03h09

A Bilha Quebrada é uma das montagens que reestreiam. A obra escrita por Henrich Von Kleist, em 1811, já havia sido encenada pelo grupo em 1993. E mereceu nova versão no ano passado. No tribunal de uma pequena cidade, acompanhamos os desvios de caráter de um juiz. Um tema, aliás, que parece estar na ordem do dia.

O apego à realidade sempre foi uma preocupação do encenador. "Fazer teatro é se posicionar política e esteticamente diante das coisas que estão acontecendo", lembra Marcio Aurélio.

Tal mote norteou a escolha de textos clássicos, que o grupo sempre fez questão de revisitar e redimensionar para o presente. Mas também se manteve no horizonte quando obras contemporâneas vieram à baila. Comprovam essa opção os outros dois trabalhos que completam a mostra: Agreste, do pernambucano Newton Moreno, e Anatomia Frozen, da britânica Bryony Lavery. "São peças que encontram um eco no real", observa o ator Joca Andreazza, que contracena, em ambas as criações, com Paulo Marcello.

Desde que estreou, em 2004, Agreste está constantemente de volta para mais uma temporada. "Até tentamos parar de fazer a peça, mas o público não deixa", comenta Andreazza.

A história de um amor aniquilado pela intolerância mereceu contornos épicos na mão do diretor. Uma escolha que só engrandeceu o que já aparecia delineado na dramaturgia de Newton Moreno: a recusa ao diálogo e a predileção pela narração.

Cinco anos depois, os solilóquios voltaram a dar o ar da graça em Anatomia Frozen. O espinhoso tema da pedofilia foi dissecado com precisão cirúrgica e mereceu os contornos minimalistas que já se tornaram a marca de Marcio Aurélio e de sua companhia. / M.E.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.