Retrato de um protagonista do século 20

Biografia de Churchill, escrita por seu único filho e publicada há 45 anos foi destaque na seção 'Resenha Bibliográfica'

, O Estado de S.Paulo

16 Abril 2011 | 00h00

Randolph Churchill, WINSTON S. CHURCHILL, Vol. 1, Youth, 1874-1900, Ilustrado, Houghton Mifflin, 1966, 614 pags.

Eis uma biografia que oferece esperança a muitos pais, cujos filhos na infancia foram considerados incorrigiveis pelos mestres ou, quando jovens, impossiveis de suportar pelos progenitores.

Não é tarefa facil biografar Winston Churchill. Sua vida politica prolongou-se por sessenta anos. Sua juventude foi tudo menos banal - aos 26 anos já tinha lutado em três guerras, escrito três livros e ganho as eleições para membro do Parlamento.

Randolph Churchill, unico filho de Churchill, lançou-se á tarefa ingente de escrever uma biografia paterna em cinco volumes, tendo agora aparecido o primeiro deles. O A., de inteligencia clara e espirito pratico, planejou com tempo e calma o material de que dispunha e assim nos apresenta um volume de excelente leitura. Dispondo de um arquivo excepcional de documentos, usou de muito bom senso ao separar os documentos da narrativa propriamente dita. (...)

O primeiro volume abrange o mesmo espaço de tempo relatado por Winston Churchill em sua autobiografia "My Early Life". Ou seja, desde o seu nascimento em 1874 até 1900, quando ingressa em sua vida política, como membro conservador do Parlamento. O volume termina realmente com a morte da Rainha Vitoria em 1901 e nos deixa o jovem Churchill no inicio de sua longa carreira politica, além de muitas outras há uma diferença a fazer entre as duas obras - a do pai e a do filho. "My Early Life" é uma autobiografia discreta, pois que foi escrita para publicação imediata. Randolph Churchill é um bom filho, mas é também um historiador honesto e não se deixa prender por certos detalhes menos favoraveis. Parte do principio que toda a verdade acerca de Churchill pode ser dita (...).

O que o pai em sua autobiografia contou veladamente, por exemplo suas relações com seus progenitores, já o filho pode relatar abertamente, atendo-se á verdade e dando ao mundo uma visão ampla e clara da infancia de Churchill. Quando este diz venerar o pai e idolatrar a mãe, Randolph explica que tanto o pai como a mãe pouca atenção e carinho dispensaram ao filho. Lord Randolph achava o filho um fracasso, pouco se importava com o mesmo, absorvido que sempre estava em politica. Lady Randolph se dedicava á sua intensa vida social; não tinha tempo para escrever ao filho nem visita-lo no colegio, nem sequer o queria em casa nas ferias para não atrapalhar suas festas e reuniões. A atitude dos dois via desde preocupação pelo futuro do jovem, até uma fria indiferença, para não dizer quase crueldade. (...)L.Z.

NOTAS CRÍTICAS

A seção "Resenha Bibliográfica" integrava a "Parte fixa" do SL, conforme o projeto elaborado por Antonio Candido. Segundo ele, nela entrariam "artigos curtos, de duas laudas, no máximo três, sobre livros que escapem ao rodapé (outra seção da "Parte fixa"), visando a fornecer ao leitor um conjunto de notas críticas e informativas sobre publicações nacionais e estrangeiras". Os autores do texto tinham seus nomes escritos no alto, junto ao título da seção; em cada nota, constavam apenas suas iniciais. Neste texto, "L.Z." se refere a Laura Zamarin, colaboradora na área de literatura de língua inglesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.