Restrição à Globo pode ser revista, diz ministro

O presidente Fernando Henrique Cardoso e o ministro da Justiça, José Gregori, almoçaram hoje com os atores Vera Fischer e Tony Ramos, da novela da Rede Globo Laços de Família na casa do diretor da emissora, em Brasília Antônio Drumond. Também participaram do almoço Cláudio Manoel (do Casseta e Planeta), os autores de novela Silvio de Abreu e Glória Perez, o diretor de Laços de Família, Ricardo Waddigton, e a principal executiva da TV Globo, Marluce DiasDepois do encontro, o ministro Gregori disse que a portaria do ministério que estabelece classificação etária de programação pode ser modificada e comentou a decisão do juiz da 1ª Vara de Infância e Adolescência do Rio, Siro Darlan, de impedir a participação de crianças na novela."Foi uma decisão que não significa censura, mas uma decisão enérgica e obedeceu aos critérios do juiz", afirmou o ministro. "Acho que talvez pudesse ter havido um diálogo, que ele pudesse ter evitado uma medida dessas", acrescentou. Gregori fez questão de enfatizar, entretanto, que o juiz deixou claro os motivos para tomar a medida e "nenhum desses motivos tem relação com a portaria" do ministério.Ao ser indagado se modificaria a portaria, o ministro respondeu: "estamos dialogando com toda a sociedade, recebendo diariamente manifestações a favor, manifestações contra, e acho que essa discussão, se for sempre movida pelo sentido de equilíbrio, sem radicalismo, é uma discussão que tem relação com a sociedade brasileira, porque queiramos ou não a TV mexe com milhões de pessoas".Lobby - Gregori ponderou que, como tem ouvido todos os setores da sociedade para compor uma posição sobre a programação das televisões há mais de dois anos, não via razão para rejeitar o convite para o almoço feito pela TV Globo. E explicou a presença de Fernando Henrique: "é um encontro de afeto, com a presença de pessoas que todo o Brasil conhece e admira, que são alguns dos que fazem a televisão no Brasil."Segundo o ministro, a conversa durante o almoço foi sobre a qualidade da televisão e a questão da censura. Gregori explicou que os atores e diretores globais estavam "temerosos" de que a portaria do Ministério da Justiça significasse algum tipo de censura. "Numa democracia nada melhor do que dialogar e o objetivo foi só esse".O ator Tony Ramos, que interpreta o personagem Miguel, irritou-se ao ser indagado se o encontro era um lobby a favor da novela. "Lobby é uma palavra mais forte: aqui são profissionais defendendo seu trabalho e a dignidade de seu trabalho", respondeu. "Foi um encontro amistoso e não viemos buscar resultados." A atriz Vera Fischer endossou as palavras do colega. "A gente não veio pedir nada, só veio conversar", disse. "O presidente acha que tudo pode acontecer, como nós achamos, mas a gente sai daqui com o coração mais leve."Beleza - O encontro com os artistas e diretores globais durou quase duas horas. Na saída, enquanto o presidente posava para fotos ao lado dos artistas, os jornalistas indagaram se ele já viu a novela.Fernando Henrique limitou-se a dar risadas e fazer gestos com os braços. A atriz Vera Fischer, no entanto, emendou: "Mas a dona Ruth (Cardoso, primeira-dama) assiste".Na mesa de almoço colocada na varanda da casa de Drummond, Vera tinha o presidente à sua direita e o ministro Gregori à sua esquerda. Depois do almoço, os convidados conversaram nos jardins da casa que pertence a Toninho Drummond e tomaram café.

Agencia Estado,

23 de novembro de 2000 | 22h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.