Restaurante Le Coq Hardy tem novo chef

O Le Coq Hardy trocou de Pereira. Saiu o chef José Pereira, que voltou para o Ceará, e assumiu o seu irmão, o chef Eliseu Pereira, que trabalhava há muito tempo na casa. A cozinha praticamente não mudou, mas o restaurante ficou melhor, pois está com preços um pouco menores. No que diz respeito à decoração, piorou, uma vez que vários quadros de pintores famosos mostrando galos que faziam parte da história da casa desapareceram de suas paredes. Apesar disso, é ainda um restaurante de classe, bonito. O Le Coq Hardy é carregado de tradição, foi um "descendente" do Petit Coin Basque e ocupou durante muito tempo uma residência adaptada em Santo Amaro, quase em frente da grande estátua do bandeirante Borba Gato. Sempre uma casa elegante, com serviço impecável, que continua até hoje, comandado pelo competente Luis Carlos Sambugaro. Depois, foi para o Itaim-Bibi, onde manteve o nível.O novo cardápio do chef Eliseu Pereira manteve as linhas tradicionais e acrescentou mais pratos de inspiração italiana, como o risoto com champignons do tipo shitake (R$ 34); risoto de camarão com ervas aromáticas (R$ 41); lingüine com tomate fresco e manjericão (R$ 28); ravióli de ricota com creme de alcachofra perfumado pelas trufas (R$ 36) e ravióli de perdiz ao molho de estragão (R$ 32). Os preços podem ter baixado, mas o Le Coq Hardy ainda está longe de ser um restaurante barato. Os sete pratos de peixes e frutos do mar e as carnes e aves se aproximam mais da cozinha tradicional da casa, luxuosa. Pratos como escalope de salmão grelhado com espinafre (R$ 33); cavaquinhas à provençal com arroz (R$ 64); camarão ao champanhe com risoto de manga (R$ 64); filé mignon com mostarda de Dijon (R$ 35); cordeiro assado com molho de menta (R$ 48); perdiz desossada grelhada com polenta ao foie gras (R$ 39) e pato assado com frutas frescas (R$ 48). Como se vê, pratos mais para a cozinha tradicional, sem grandes arroubos criativos. Nenhuma surpresa desagradável na preparação dos pratos. O novo chef conhece muito bem a casa e seus clientes e manteve o nível. A omelete de queijo com ervas, um prato proposto apenas no almoço, estava delicioso, no ponto certo, derretendo na boca (R$ 19). Não é nada fácil fazer uma omelete de primeira. Também saboroso o ravióli de perdiz ao molho de estragão (R$ 32). Razoável o risoto de champignons shitake, além do ponto, mole demais (R$ 34). O novo Pereira fez com muita propriedade os dois peixes provados, no ponto certo, firmes, como o badejo grelhado num molho de curry delicado e arroz com passas (R$ 46) e o robalo ao vapor com legumes (R$ 48). Bons, sem grandes destaques positivos ou negativos, os escalopes de filé com o tradicional molho roti (R$ 2) e espetacular o faisão assado com Jerez e risoto de champignons silvestres (R$ 41). A ave no ponto, macia e ainda úmida. O risoto não ficou à altura. Le Coq Hardy - Rua Jerônimo da Veiga, 461, Itaim-Bibi, tel.: 3079-3344.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.