Depoimento: Jorge Mautner

01 de junho de 2012 | 03h24

Desde 1972, até este último domingo, ele foi meu melhor amigo. Sinto um vazio, mas a dor é maior do que o vazio. Era mais do que um músico, era um ativista, um militante, me acompanhou em minhas peças, minha literatura, minha filosofia. Lia muito, era um intelectual sempre em movimento. Toda minha obra musical foi feita com ele, tocando, compondo. Tenho outros parceiros, mas ele era o mais frequente. Mesmo doente, fazia questão de ir a todos os lugares e tocou até o último momento. Os médicos não compreendiam sua vontade de tocar. Ultimamente, respirava por um fio. Mas, no palco, ocorria um milagre. O doutor Drauzio Varella dizia isso, que era um milagre. No último domingo, estivemos em Jacareí, ele se interessava por todos os assuntos, os ruralistas, a ecologia. Não queria ser internado de novo, sabia que ia morrer. A música traduzia nossas mensagens. Um morreu, o outro vai continuar levando a mensagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.