'Resistiré...'
Imagem Roberta Martinelli
Colunista
Roberta Martinelli
Som a pino
Conteúdo Exclusivo para Assinante

'Resistiré...'

Apesar de você, não faltará coragem para suportar, eu sou meu próprio lar e, baby, nada há de ser em vão

O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2018 | 02h00

Difícil escrever esta coluna. Muito difícil mesmo. Tenho vontade de colocar uma música do Chico Buarque, depois misturar com trechos de Gilberto Gil, com uma pitadinha da banda Francisco, el Hombre, sem esquecer, claro, do tempero essencial do Johnny Hooker, então juntar todos esses trechos para que você possa compreender o que eu estou sentido neste exato momento. Eu e tantos. Eu e muitos. 

Apesar de você, não faltará coragem para suportar, eu sou meu próprio lar e, baby, nada há de ser em vão. A vida é feita mesma de coragem e é sobre isso que eu escrevo hoje nesta coluna de música. Sobre lugares para encontrar o que pode, às vezes, nos faltar. 

A obra de arte reflete, em sua grande maioria, o tempo que vivemos. Foi muito importante estar duas semanas antes do segundo turno das eleições 2018 no Teatro Oficina em São Paulo, no show de lançamento do disco Azul Moderno, da cantora e compositora Luiza Lian. Estar ali, naquele símbolo da nossa cultura, sentada, em 2018, num teatro que resiste fortemente mesmo com um shopping tentando passar por cima, mesmo com reuniões bizarras entre Zé Celso e Silvio Santos que são verdadeiras cenas da peça O Rei da Vela, de Oswald de Andrade. Estar ali naquela construção histórica, na sede de uma companhia que foi censurada quando fazia Roda Viva em 1968, ainda em outro espaço. Independentemente do que aconteça, temos que estar conectados e fortes; juntos e criando, trocando. 

Foi fundamental também estar com Tom Zé falando sobre a chegada dele a São Paulo para fazer o espetáculo Arena Canta Bahia e sobre a construção da carreira dele, as dificuldades e vontades, os cafezinhos com a censura e as mudanças nas letras de canções. Foi especial conversar com Djavan, que estava ansioso para lançar uma música nova, Solitude, antes das eleições. Foi sorrindo e com tristeza que ouvi Martinho da Vila me contar que está cansado de repetir “canta, canta, minha gente, que a vida vai melhorar” quando nem ele sabe mais se vai... Então, eu perguntei: será que não vai? E ele, sorrindo, otimista, me animou dizendo “vai melhorar”. Foi muito bonito estar no Rio de Janeiro em um Circo Voador lotado com Luedji Luna, Xênia França, Liniker, Letrux e Maria Gadú no show que eu fiz direção artística ao lado de Décio 7 do Bixiga 70, o Acorda Amor. Naquela noite, eu vi a gente acreditando que ia dar, vi gente chorando na plateia, amando, beijando, cantando junto. 

Importante frequentarmos teatros, museus, levar arte para rua e ocupar a cidade que é nossa. Foi comum nas disputas eleitorais deste ano, assim como em disputas anteriores, e nada de novo na história, colocar o artista no lugar do marginal, no lugar do dependente do governo, do que “mama nas tetas”, e esse discurso foi muito reforçado por alguns candidatos. Artista não está nesse lugar. É na arte que encontramos a discussão sobre o que estamos vivendo, a crítica ao momento, a luta por direitos. Esse foi e sempre será o lugar do artista. Não à toa, temos tanta perseguição a eles na nossa história passada e recente. 

 

Música da semana

O que foi feito devera

Música de Milton Nascimento, Márcio Borges e Fernando Brant no Clube da Esquina 2 em 1978 e cabe perfeitamente para a nossa semana: “O que foi feito amigo de tudo que a gente sonhou? O que foi feito da vida? O que foi feito do amor?” Mas com a certeza de que outros Outubros virão. Essa é para tocar na vitrola e chorar sorrindo ou sorrir chorando. 

Mais conteúdo sobre:
Teatro Oficinateatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.