Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Representação

Não há muita diferença entre o que acontece hoje e como era na Velha República

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2017 | 02h00

Há muito mais operários, trabalhadores no campo e empregados em geral - enfim, povão - do que a soma de todos os empresários, evangélicos, rentistas, latifundiários e etc. do nosso Brasil. O que quer dizer que a grande, a eterna crise que vivemos é uma crise de representatividade. Minorias com interesses restritos têm suas bancadas amestradas no Congresso. A imensa maioria do País tem representação escassa, em relação ao seu tamanho, e o que passa por “esquerda” na oposição mal pode chamar-se de bancada, muito menos de coesa. Só a ausência de uma forte representação do povo explica que coisas como a terceirização e a futura reforma da previdência passem no Congresso como estão passando, assoviando. Os projetos de terceirização e reforma da previdência afetam justamente a maioria da população, a maioria que não está lá para se defender. Li que a lei das privatizações vai ser mais “dura” do que sua versão original, que não agradou aos empresários. Os empresários pediram para o Temer endurecer. Os empresários têm o ouvido do Temer. O povo era um vago murmúrio, longe das conversas no Planalto.

Não há muita diferença entre o que acontece hoje e como era na Velha República, em que o país era governado por uma casta autoungida, que só representava a si mesma. Agora, é até pior, pois a aristocracia de então não se disfarçava. Hoje, temos uma democracia formal, mas que também representa poucos, e se faz passar pelo que não é.

Claro, sempre é bom, quando se critica o Congresso, destacar as exceções, gente que na sua briga para torná-lo mais representativo quase redime o resto. Que se multipliquem.

Rotação. Da série “quem diria...” Uma das razões para impedir que um comunista chegasse um dia à presidência dos Estados Unidos era o temor que o país passasse a ser governado pelo Kremlin. A possibilidade de um comunista ser eleito era remota, mas o medo era real, e alimentou o macarthismo e as atividades do FBI durante anos. Corta para hoje, e a revelação de que o FBI está investigando a possibilidade de o Kremlin ter ajudado na eleição do... Trump! Um espécime acabado de reacionarismo americano. Outra prova da rotação da Terra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.