Réplicas de Rodin são expostas em BH

Nove réplicas de célebres trabalhos do francês Auguste Rodin (1840-1917), um dos maiores escultores de todos os tempos, estão expostas desde segunda-feira na estação rodoviária de Belo Horizonte, por onde passa diariamente uma média de 40 mil pessoas, volume que quase dobra nesta época do ano. São elas: O Pensador; O Beijo; A Toalete de Vênus; O Ídolo Feminino; A Danaíde; As Sereias; O Burguês de Calais; O Menino Prodígio e O Ídolo Eterno.A exposição pode ser acompanhada por uma trilha sonora composta por Marcus Vianna, que mesclou músicas próprias com composições que eram ouvidas na época em que viveu o escultor francês, alvo de polêmicas no século 19 por enfrentar as normas rígidas do academicismo artístico. Viana afirma que idealizou a trilha reconstruindo obras originais de compositores impressionistas sob uma nova ótica, explorando inusitadas combinações de timbres e ritmos.As reproduções de Rodin, assinadas e autenticadas pelo Museu do Louvre, em Paris, foram adquiridas recentemente pela empresa V&M do Brasil (antiga Mannesmann), responsável pela exposição, em parceria com a Câmara de Comércio França-Brasil e a prefeitura de Belo Horizonte. A coordenação e a orientação da mostra ficaram por conta da Collections des Musées, uma representação dos grandes museus europeus, cuja responsável no Brasil é a empresária mineira Beth Lobato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.