Renata Tassinari abre mostra em SP

Pinturas e desenhos de RenataTassinari e uma instalação com fotografias e feixes de luz doartista multimídia espanhol Chema Alvargonzales são asexposições que a Galeria Baró Senna inaugura amanhã, às 19horas, para convidados. Renata Tassinari mostra seis telasrecentes e uma série de 20 desenhos feitos com bastão a óleo eAlvargonzales, o trabalho A Alternativa Nômade, uma reflexãosobre a transformação do indivíduo que ficará abrigada nomezanino da galeria.Da exposição de Renata Tassinari pode-se perceber quesuas pinturas trazem um desenho geométrico (retângulos) comcores definidas. Faixas amarelas, vermelhas, cinzas, azuis everdes. "Mas não chamo de geométricos. O trabalho é mais umapesquisa de cores", afirma a artista. É certo que as cores sãodelimitadas, mas o uso da cera de abelha no cinza, por exemplo,faz com que essa cor adquira uma textura diferente, mais opaca,às vezes menos lisa. Desse modo, a artista vai compondo suastelas - faixas foscas e brilhantes -, construindo relações nomomento mesmo em que pinta cada plano. "O amarelo, por exemplo,tem uma camada de vermelho por baixo", explica Renata.Inspiração - Segundo a artista, não há um tema com quetrabalha, mas uma inspiração: as fachadas de lugares, enfim, aarquitetura. Não chega a ser direto. Ademais, é uma citação aartistas que admira, como Volpi e Eduardo Sued. "É umatentativa de resgatá-los em uma pintura mais atualizada."Sua exposição ainda é composta por desenhos, trabalhos que aindatrazem questões de obras anteriores, como as que Renata mostrouno Centro Cultural São Paulo em 2000. Com o bastão a óleo, aartista parece não demarcar o início e o fim das faixas de cores, aqui mais terrosas como o marrom, bege, ocre e o laranja. "Émais a passagem de uma cor para a outra", afirma. Nessestrabalhos, as formas não são rígidas, e o branco tem o papelfundamental de fazer a interferência entre os matizes.Renata Tassinaria e Chema Alvargonzales. De terça a sexta, das11 às 19 horas; sábado, das 11 às 18 horas. Galeria Baró Senn.Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 296, tel. (11) 3061-9224. Até1/6. Abertura às 19 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.