Renata Melo encena texto da irmã Patrícia

Há uma lição escolar, uma redação, uma tese de doutorado ou um livro esperando para ser escrito. Pronto! Imediatamente tornar-se urgente lavar a louça, arrumar o quarto, ir ao supermercado, enfim, as tarefas mais chatas tornam-se repentinamente inadiáveis. Sobre essa angústia, aparentemente banal, a escritora Patrícia Melo criou a peça A Caixa, que estréia amanhã no Teatro Aliança Francesa unindo uma equipe de mulheres talentosas - a atriz e coreógrafa Renata Melo (Domésticas e Passatempo) como intérprete, Bete Coelho na direção e Daniela Thomas assinando cenografia.O ponto de partida da peça não é original, o embate entre criador e criatura, o trânsito entre as fronteiras da ficção e da realidade. Mas é bastante interessante a forma como Patrícia explora o tema. "Grávida" de um romance, uma autora resolve continuar escrevendo, obviamente depois de realizar todas as tarefas secundárias possíveis. Mas percebe, horrorizada, que sua personagem prepara-se para sair de casa. Faz tudo para evitar, entrando literalmente em combate físico, mas não consegue. O jeito é persegui-la pelas escadarias do prédio. E, quando finalmente a traz de volta, resolve prendê-la numa caixa.Renata Melo divide-se entre as duas personagens do solo. "A questão principal da peça vai muito além da dificuldade do processo criativo. O verdadeiro conflito é interior e se dá entre lados diferentes de uma mesma mulher", diz Renata. A personagem, como foi imaginada pela autora, é uma escritora e tem uma missão a cumprir, escrever seu livro. Mas ela se revolta contra esse destino. Embora tenha duas personagens, a peça foi escrita como solo especialmente para Renata. E faz sentido. Pois além de uma carpintaria muito bem elaborada, a peça exige uma atriz com grande domínio corporal. Irmã de Patrícia, Renata foi responsável pela preparação corporal das atrizes Fernanda Torres e Débora Bloch quando ambas atuaram em Duas Mulheres e um Cadáver, primeiro texto teatral de Patrícia. "Há algum tempo vínhamos falando sobre a possibilidade de uma parceria", diz Renata.Daniela Thomas é a responsável pelo cenário que transforma o palco todo numa caixa, deixando bem clara a linha escolhida pela diretora, que privilegiou a idéia de conflito interior. "A escolha da Bete foi muito adequada. Ela é uma excelente diretora e, pelo fato de ser também atriz, compreende bem nossas dificuldades", argumenta Renata. Como a tal personagem rebelde ainda está sendo escrita, é de se imaginar que Renata tenha traduzido isso em gestos, essa incompletude. "Na verdade, isso não existe assim, conscientemente, de forma intencional, mas como resultado sim. Há momentos em que a personagem não sabe o que fazer, fica esperando o que é para dizer, pergunta ao autor o que deve fazer."A Caixa. De Patrícia Melo. Direção Bete Coelho. Duração: 60 minutos. Sexta, às 21h30; sábado, às 21 horas; domingo, às 19 horas. R$ 20,00 e R$ 25,00 (sábado). Teatro Aliança Francesa. Rua General Jardim, 182, tel. 3123-1753. Até 14/12. Patrocínio: Brasil Telecom. Estréia amanhã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.