Renata Fan, uma Miss Brasil no mundo da bola

O que fazer para conquistar esta loira? Dar um anel de brilhantes, convidá-la para um cruzeiro pelo Caribe, comprar um carro zerinho? Ou será que ela prefere receber poemas de amor? Na verdade, nada disso é preciso. Para a gaúcha Renata Fan ficar feliz, basta um sofá no domingo e uma boa rodada de futebol na televisão. "Gosto de esporte mais do que muita coisa que você pode imaginar", diz. Segura do que sabe e humilde para buscar melhorar ainda mais - Renata é formada em Direito, fala três línguas e cursa o segundo ano de Jornalismo -, ela ganhou a confiança de um sabichão do esporte como Milton Neves e virou seu braço direito nos esportivos Debate Bola e Terceiro Tempo, ambos na Record.Chegou até a ganhar um programa próprio, fora da área esportiva. Zapping, vespertino diário da Record, é uma atração que fala da própria TV, sua história, bastidores e entrevistados. Mas parece que a ex-modelo não tem muita sorte fora dos campos de futebol. Nem bem completou um mês no ar, a Record tirou o Zapping da grade no começo desta semana - para esticar os programas de outras loiras, Eliana e Claudete Troiano. "Estou a serviço da Record e não vou discutir as orientações da direção", diz Renata.Não foi fácil para esta gaúcha de 26 anos convencer marmanjos e mocinhas de que entende de futebol. Renata conta que um dia após sua estréia no Terceiro Tempo, ela foi muito elogiada por gente graúda do futebol por ter falado no ar a escalação completa do Internacional - seu time de coração - de 1976 para cá. Ela então foi convidada, naquela segunda-feira mesmo, para conhecer o Clube dos 13, onde estavam presentes os presidentes do Internacional, do Goiás e do Flamengo. "Eles estavam achando que o Milton Neves soprou a escalação para mim. Aí não teve jeito, tive que repetir tudo de novo para eles."Até entre as mulheres Renata Fan já passou por apuros por conta de sua inclinação futebolística. Em 1999, Renata viajou para muitos países em função do título de Miss Brasil que havia ganhado naquele ano. Na Coréia, por exemplo, o assunto de que as outras misses mais gostavam de falar com ela era futebol. "Como sou brasileira, este assunto era sempre o primeiro que entrava na conversa. O duro é que o papo de futebol com as misses era bem superficial, não durava muitos minutos", diz ela. "Assistir é fácil, difícil é analisar o esquema tático, a escalação, a formação do meio-campo", esnoba.Fora dos gramados e longe das câmeras, Renata diz que nunca teve problemas com ciúmes de namorados. Mesmo porque, ela conta que já deu muito cartão vermelho para alguns pretendentes antes que eles tivessem a chance de tirá-la do sério.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.