Remake de 'Sinhá Moça' repete aceitação do original

Apresentada ao mercado internacional somente em abril, a nova versão da novela é vendida para cinco países

Shaonny Takaiama, do Estadão,

25 de julho de 2007 | 10h15

Produzido há um ano e meio, o remake de Sinhá Moça, de Edilene e Edmara Barbosa, filhas do autor do original, Benedito Ruy Barbosa, vai repetindo o sucesso da produção de 1986. Apresentada ao mercado internacional somente em abril deste ano, a nova Sinhá já foi vendida para cinco países e encontra boa aceitação por onde passa. No momento, compete ao Seoul Drama Awards 2007 na categoria de "melhor série dramática". A final está anunciada para 28 de agosto e Sinhá concorre com cinco produções estrangeiras. Essa foi sua segunda indicação no cenário internacional. Em 2006, a trama foi finalista do International Emmy Awards, na mesma categoria. A primeira Sinhá Moça, com Lucélia Santos e Marcos Paulo, foi, até sete anos atrás, o segundo título mais vendido da Globo no mundo todo - perdia apenas para o original de Escrava Isaura (1976), com a mesma Lucélia. Após 2002, o ranking divulgado pela Globo passou a dar a Terra Nostra - também de Benedito Ruy Barbosa - como o primeiro lugar no ranking de vendas internacionais, o que jogou Escrava para segundo e Sinhá Moça (a de 86) para terceiro lugar.

Tudo o que sabemos sobre:
Sinhá Moça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.