Religiosos atacam novelas da Globo

Esoterismo, anjo da guarda, proteção divina e benção do além. Mãe-de-santo e beata se trancam dentro da igreja e trocam farpas sobre religião. Quem gosta da liberdade religiosa tem de aproveitar o momento: as três novelas da Rede Globo falam de tudo isso e muito mais. Uns atribuem o fato à chegada do novo milênio, outros acreditam que só apelando aos deuses para aumentar o ibope dos folhetins, deixando qualquer carola de cabelo em pé.Na novela das seis, Estrela Guia, a superstar Sandy é uma garota esotérica que foi criada na comunidade alternativa Jagatah. Tem princípios de vida diferentes e pratica rituais esotéricos. A personagem Cristal tem características não cristãs, segundo a Igreja Católica.Já a novela das sete - Um Anjo Caiu do Céu - apela para a história do anjo da guarda Rafael (Caio Blat), que quando quer, se transforma em humano e está sujeito a pecados e prazeres da vida mundana. E Porto dos Milagres (21h) vai mais longe, na opinião dos radicais religiosos. Conta a história do pescador Guma (Marcos Palmeira), um protegido de Iemanjá e praticante dos rituais do candomblé. Metodistas, católicos e evangélicos vem se mobilizando contra os folhetins. Os bispos da Igreja Metodista do Brasil já soltaram um manifesto orientando seus fiéis a não assistirem as novelas globais. Parte do texto diz que as tramas "não combinam com a formação cristã do povo brasileiro (...) e acabam influenciando milhares de pessoas (...) a aceitarem essa espiritualidade mágica."Entre os padres da igreja católica a situação não é muito diferente. Há semanas o portal Catolicanet (www.catolicanet.com.br) vem colocando na Internet artigos de religiosos e cartas de leigos comentando sobre o misticismo que permeia as atuais novelas da Globo. O assunto ganhou tanta repercussão que o site realizou uma pesquisa, perguntando aos internautas: "Você acha que existe problema nos cristãos assistirem as novelas que dão destaque para o esoterismo?". O resultado revelou que 66,91% acreditam que há problema nos cristãos acompanharem este tipo de programação, contra 33,09% que não vêem nada de mal nisso."Prego aos meus fiéis que não assistam essas novelas", admite o padre Wilson Victoriano Ferreira da Silva, diretor espiritual da Renovação Carismática da Diocese de Jundiaí, interior de São Paulo. Na visão do padre, Deus é um só e, por isso, é errado dizer que todos os caminhos levam a Ele, especialmente o esoterismo e o espiritismo. Segundo o padre, a Igreja é radical neste sentido e segue aquilo que o Evangelho de João fala na escritura sagrada: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida". "Abominamos o esoterismo, a leitura de horóscopo e acreditamos que os astros não influenciam na vida humana", ressalta padre Wilson ao lembrar do enfoque principal de Estrela-Guia. Quanto à figura do anjo da guarda, enfatizada na novela protagonizada por Caio Blat e Tarcísio Meira, o padre explica que tudo não passa de uma caricatura de mau gosto. "Os anjos são criaturas de Deus. Foram criados por Ele e enviados para nos ajudar. Essa confusão entre o anjo e o homem é errada", salienta. O diretor espiritual da Renovação acredita ainda que o pior está acontecendo no folhetim das 21 horas, começando pelo título da novela, Porto dos Milagres. "Iemanjá é uma divindade pagã e não pode ser comparada com Nossa Senhora, mãe de Deus. Não aceitamos essa identificação. Um deus pagão não pode fazer milagres", diz. Para o padre, que é considerado uma liderança carismática em sua região, quem tem conhecimento bíblico não se influencia com histórias como as narradas nas novelas da Globo. O presidente do Conselho Nacional da Renovação Carismática, Reinaldo B. dos Reis, disse em entrevista que a Igreja não está em campanha contra as novelas, apenas boicota esse tipo de história que vai contra a fé católica. Já o Frei João Heinrichs afirmou (por e-mail ao portal Catolicanet) que "novela nenhuma vale ser assistida por um cristão ou católico consciente, pois em nada combina com uma vida cristã. A gente leva a impressão que o objetivo das novelas é destruir a família."Abominação - Entre os evangélicos a opinião é semelhante. O presidente do Conselho de Pastores de Jundiaí, pastor Francisco Vanderlinde lembra que a Bíblia condena todos os temas abordados pelas três novelas da Globo. "Está muito claro nas Escrituras Sagradas que Deus condena práticas ocultistas. Ele as considera abomináveis". E cita o trecho do livro de Deuteronômio 18:10-11: "Não haja no teu meio quem faça passar pelo fogo o filho ou a filha (sacrifício humano), nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro, nem encantador, nem necromante (pessoa que invoca dos mortos), nem mágico (ilusionismo misturado a culto), nem quem consulte os mortos. O Senhor abomina todo aquele que faz estas coisas". Preconceito - A visão do pai-de-santo Salvador Maria é bem distinta. Ele assegura que as novelas são inofensivas. Porto dos Milagres, por exemplo, está retratando com riqueza de detalhes o candomblé, religião antiga e com base africana. Segundo ele, que não tinha costume de assistir novelas, a história das 21 horas está tendo uma boa repercussão entre os espiritualistas. "Não acredito que uma história contada na televisão influencie tanto assim as pessoas. Quem tem fé e religião não muda só por causa de uma ficção ", acredita. Para o pai-de-santo, a personagem de Zezé Motta, a mãe Ricardina ? que recentemente protagonizou uma briga religiosa com beata Augusta Eugênia (Arlete Salles) e garantiu 46 pontos no Ibope - está mostrando que a religião não faz ligações com o mal. "O candomblé sofre preconceito e a novela está mostrando a verdade", enfatiza. Ele comenta ainda, com bom humor, a cena em que o pescador Guma recebeu o título de ogã, além de elogiar os cantos do terreiro de Porto dos Milagres com dialeto corretíssimo. Aguinaldo Silva, autor de Porto dos Milagres, discorda do radicalismo dos religiosos. Para ele, o candomblé está sendo usado na trama como um recurso dramático, e não como uma forma que abocanhar mais adeptos. Ele lembra que essa religião é tão antiga quando o cristianismo, e que encontra no Brasil, principalmente na Bahia, milhares de seguidores. A novela é baseada nos romances A Descoberta da América pelos Turcos e Mar Morto, ambos de Jorge Amado. A padroerira - E quem pensa que as tramas globais com enfoque religioso páram por aí, se prepare: a próxima novela das 18 horas, de Walcyr Carrasco, vai contar a história da padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida. Parte das gravações serão no rio de Guaratinguetá (SP), local onde a imagem foi achada por pescadores. "O que se espera, porém, é que o autor da novela retrate realmente a verdade dos fatos nessa nova história", conclui Padre Wilson.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.