Clayton de Souza/AE
Clayton de Souza/AE

Relembre as frases mais marcantes de Hebe Camargo

A apresentadora Hebe Camargo, que morreu neste sábado, 29, era conhecida por sua espontaneidade e alegria. Costumava falar o que vinha à cabeça, sem muito pudor. Uma das frases que provam seu alto astral: "Que coisa ridícula eu, com 58 anos, falar bumbum. É bunda, não é?".

29 de setembro de 2012 | 15h23

Veja frases mais marcantes de Hebe:

"Gosto de homem mais velho, de 65, 70 anos. Não precisa ser magrinho, pode ser meio rechonchudinho, cabelos grisalhos, tem que ser educado, gostar de tomar vinho, um gentleman. Estou disponível. Apresente-se!"

"Eu só penso e atraio coisas boas."

"Quando você for brindar com um homem, olhe bem nos olhos dele, senão você vai ficar sete anos sem transar". Ela disse isso aos 74 anos, depois de beijar na boca a atriz Beatriz Segall, em seu programa do SBT.

"Eu não tenho solidão. Sou feliz comigo."

"Pretendo terminar meus dias e minha carreira no SBT."

"Só tenho um filho, mas não parei por aí. Pretendo ter mais". Ela disse aos 73 anos, sobre seus planos de aumentar a família.

"Estou com a libido a toda". Disse aos 74 anos.

"Lembro de uma mulher falando alto: 'Não grita! Não grita'!". Sobre um aborto clandestino, aos 18 anos.

"Aquela amizade que eu pensava ser verdadeira era interesseira. Quando parei de participar das campanhas dele, deixei de interessar". Sobre sua longa amizade com o ex-governador Paulo Maluf, no programa De Frente com Gabi.

"Que coisa ridícula eu, com 58 anos, falar bumbum. É bunda, não é?"

"Gostaria de ter um namorado para me dar uns beijinhos. Assim como seria lindo eu dar boa-noite e cair dura no palco: pum!". Disse isso aos 75 anos.

"Não estou fazendo propaganda da TAM! Mesmo porque eu paguei a passagem". Sobre sua volta de Paris pela companhia, setembro de 2004.

"Hoje não tem problema se eu ficar de porre. A Adriane está aqui; ela assume." Ao se referir à Galisteu, acabando com os boatos da imprensa que as duas teriam brigado, em seu programa, outubro de 2004.

"E a sua esposa, Maria Lúcia?" Disse isso quando ouviu de Cláudio Cavalcanti que 'não comia nada que tinha cara', em seu programa, em novembro de 2004.

"Eu gosto tanto de lá que tenho até vontade de me internar pra passar a noite". Sobre o Hospital Albert Eistein, março de 2005.

"E, logo depois de Meu Cunhado, tem Fora do Ar. Do jeito que anda, provavelmente em breve estaremos fora do ar". Disse isso em crítica ao programa que participava, abril de 2005.

"Linda, eu? Não, querida. Mas você acaba de ganhar uma consulta gratuita no oculista. Parabéns."

"E a Luana está grávida do Rico Mansur. Luanaaa, e se fosse o Pobre Mansur???"

"E eu caí numa roubada: li no jornal que você estava mais contida... me enganaram!"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.